Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

BC dos EUA mantém taxa de juros e sinaliza alta mais gradual

Projeções dos dirigentes do Fed indicam apenas mais duas altas de juros em 2016; antes, expectativa era de mais quatro elevações

Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2016 | 15h57

O Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) manteve nesta quarta-feira a taxa de juros ("fed funds") na faixa de 0,25% a 0,50% e a taxa de redesconto em 1,00%, em uma decisão com nove votos a favor e um contra, de Esther George. A mediana das projeções dos dirigentes do banco central dos EUA para os juros no fim deste ano diminuiu bastante, de 1,375%, para 0,875%, em um sinal de que a elevação será mais gradual do que o esperado.

A mediana das projeções do Fed indica apenas duas altas de juros pela instituição durante este ano, não mais quatro como apontavam as projeções anteriores, de dezembro. A mediana mais recente mostra que a taxa de juros deve estar em 0,875% no fim de 2016, não mais em 1,375% como na projeção anterior.

 A presidente do Fed, Janet Yellen, destacou que o cenário não mudou muito desde a reunião de dezembro, apesar da volatilidade observada nos mercados em janeiro e fevereiro. Desta forma, Yellen afirmou durante seu discurso que continua "a esperar um crescimento econômico moderado", mas que diante do crescimento global mais lento, "a tendência dos juros ainda é incerta". Além disso, ela apontou que o crescimento do país agora parece ter ganhado impulso, após um ritmo modesto no quarto trimestre, o que poderá levar a inflação a ganhar ainda mais força, "mas é preciso ver se o avanço será sustentado", destacou a presidente do Fed.

"A taxa de desemprego ainda está caindo e a inflação ainda é muito baixa", disse Yellen. Ainda assim, ela alertou que os acontecimentos econômicos globais continuam impondo riscos e que diante disso "foi prudente manter a atual posição de política monetária nesta reunião".

Em tom mais dovish, Yellen disse que o comitê pode ajustar a política monetária conforme necessário para atingir as metas e que a política monetária não está em curso predeterminado. Na reunião de dezembro, o Fed tinha mostrado a intenção de elevar os juros várias vezes este ano. "A tendência futura para a taxa de juros é necessariamente incerta". Ainda assim, ela afirmou que a evolução das condições deve permitir o aumento gradual das taxas de juros. 

Divergência. Com o voto contrário da presidente da regional de Kansas City, Esther George, foi a primeira vez que a decisão não foi tomada por consenso desde a outubro, quando Jeffrey Lacker, presidente da regional de Richmond do Fed, foi contra a decisão de manter estáveis os juros. George era favorável a uma elevação da taxa em 0,25 ponto porcentual. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Janet YellenJurosEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.