BC dos EUA pode elevar juros 'relativamente em breve'

BC dos EUA pode elevar juros 'relativamente em breve'

Presidente da instituição, Janet Yellen evitou comentários sobre eleição de Trump

Dow Jones Newswires, O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2016 | 11h37

WASHINGTON - A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, reiterou em depoimento preparado para esta quinta-feira, 17, que uma elevação dos juros de curto prazo "poderá se tornar apropriada relativamente em breve", mas não ofereceu novos sinais sobre o que a instituição fará na reunião de política monetária de dezembro.

No começo deste mês, o Fed decidiu manter os juros inalterados, ao julgar que há "um tanto a mais de espaço" para o mercado de trabalho melhorar do que os dirigentes do BC previam no começo do ano, afirmou Yellen no depoimento, que terá início às 13h (de Brasília) e será apresentado no Comitê Econômico Conjunto do Congresso americano.

Yellen, porém, também enfatizou que a política do Fed deve olhar para a frente.

"Se o Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed) adiar aumentos na taxa dos Fed funds por muito tempo, poderá ter de apertar a política monetária de forma relativamente abrupta para evitar que a economia ultrapasse significativamente as duas metas de longo prazo da política," disse Yellen. "Além disso, manter a taxa dos Fed funds no nível atual por muito tempo poderá também encorajar a tomada excessiva de risco e, em última instância, minar a estabilidade financeira."

Yellen não fez comentários sobre a eleição presidencial dos EUA e a inesperada vitória do republicano Donald Trump.

O Fed vem mantendo sua taxa de juros em 0,25% a 0,50% desde dezembro do ano passado, quando a elevou pela primeira vez desde 2006.

Nas últimas semanas, autoridades do Fed vêm sinalizando que estão mais próximos de elevar os juros de novo, diante de sinais de progresso no mercado de trabalho e de inflação mais firme. A próxima reunião do Fed está marcada para 13 e 14 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.