Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BC espera redução de 6,5% na gasolina

O Banco Central (BC) está bastante otimista em relação às perspectivas da economia brasileira este ano, acreditando que, no segundo trimestre, os preços da gasolina para o consumidor poderão cair 6,5%. A informação consta da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) realizada na semana passada, que baixou a taxa Selic de 15,75% para 15,25% ao ano. O documento, divulgado ontem, indica ainda que a instituição estima que as metas de inflação de 2001 e 2002 deverão ser cumpridas sem problemas, mesmo se a Selic atingir 14% em dezembro.A queda do preço da gasolina deve ocorrer em 6 de abril, quando haverá o primeiro reajuste trimestral dos combustíveis. Nas refinarias, os preços devem cair 8,65%, projeta o BC. Segundo a ata, a expectativa de corte de 5% na produção de petróleo pela Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) "não deve acarretar grande turbulência no preço internacional" do produto. Além da possível queda de 6,5% da gasolina, o Copom considera "bastante provável" a ocorrência de reduções "adicionais" no resto do ano.Ainda, de acordo com a Ata, se a Selic continuar em queda, as metas inflacionárias serão cumpridas. O documento menciona explicitamente o nível de 14% para os juros no fim do ano, a média das expectativas do mercado.Apesar de ressaltar que há algumas "incertezas ainda não dissipadas", a avaliação feita pelo BC é de que o cenário externo neste início de ano apresenta-se "positivo". Além da expectativa de menor volatilidade dos preços do petróleo, a ata menciona a melhora da situação político-econômica da Argentina. O principal foco de preocupação ainda são as dúvidas quanto ao ritmo de desaceleração da economia americana.

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2001 | 15h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.