BC estuda IOF como indutor de aplicações de longo prazo

O diretor de Normas e Organização do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), Sérgio Darcy, disse hoje, em seminário sobre o crescimento econômico em São Paulo, que o governo avalia a possibilidade de utilizar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) como indutor de aplicações de mais longo prazo. Segundo ele, as alíquotas seriam menores para aplicações de prazo mais longo. "Temos que trabalhar nesta linha, vale a pena", afirmou. Ele disse que está em discussão interna no BC a questão da redução do compulsório, "que deverá vir no momento adequado". A análise das condições para baixar o compulsório, segundo Darcy, está a cargo do presidente do BC, Henrique Meirelles. Sobre a defesa da medida feita no mesmo seminário pelo ministro do Planejamento, Guido Mantega (ver notícia no link abaixo), Darcy afirmou que "o ministro tem razão, mas esta é uma atribuição do presidente do BC". O diretor informou ainda que o governo está avaliando o impacto da aplicação do índice de Basiléia-2 na capitalização dos bancos. Segundo Darcy, o objetivo é prosseguir com os aperfeiçoamentos dos controles internos sem prejudicar as instituições de menor porte.

Agencia Estado,

28 Julho 2003 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.