Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

BC europeu vê crescentes sinais de estabilização da economia

Autoridade monetária afirma que preços ao consumidor na zona do euro começarão a subir nos próximos meses

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

08 de outubro de 2009 | 10h18

A economia da zona do euro está se estabilizando e os preços ao consumidor começarão a subir nos próximos meses, afirmou nesta quinta-feira, 8, o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet.

 

Veja também:

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

A autoridade monetária também não anunciou mudanças nas medidas extraordinárias que vêm usando para apoiar o sistema bancário da zona do euro e a economia desde que a crise financeira global se intensificou.

 

Em entrevista coletiva em Veneza, Trichet disse que os juros do BCE permanecem apropriados. "A economia da zona do euro está se estabilizando e deve se recuperar a um bom ritmo", afirmou ele, acrescentando, porém, que "as incertezas continuam elevadas". Segundo ele, as expectativas de inflação estão "firmemente ancoradas".

 

O BCE manteve inalteradas todas das taxas de juro depois de reunião de política monetária realizada nesta quinta-feira. A instituição financeira anunciou também que não há mudanças na orientação das medidas que tem utilizado para dar apoio ao sistema bancário e à economia na zona do euro (grupo dos 16 países que adotam o euro como moeda).

 

A taxa de referência da economia, a taxa de refinanciamento, permanece em 1,0% ao ano e as taxas para depósito e a taxa de empréstimo marginal continuam em 0,25% e 1,75%, respectivamente.

 

Câmbio

 

O euro superou brevemente o nível de US$ 1,48 depois que o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, afirmou que a volatilidade excessiva no câmbio é ruim para o crescimento econômico e a estabilidade financeira. A moeda única europeia, porém, não sustentou os ganhos e logo passou a cair levemente frente ao dólar.

 

Embora não tenha comentado se o euro está muito forte, Trichet observou que o governo dos EUA apoia um dólar forte, uma postura que ele considera "extremamente importante". "Consideramos que a volatilidade excessiva no câmbio tem tido implicações adversas para a estabilidade econômica e financeira nos dois lados do Atlântico", disse Trichet, em entrevista coletiva depois do anúncio da decisão de política monetária do BCE. "Uma política de dólar forte é extremamente importante nas circunstâncias atuais."

 

Às 10h22 (de Brasília), o euro exibia baixa de 0,09%, a US$ 1,4748, após ter chegado a US$ 1,4802 na máxima. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.