Estadão
Estadão

BC facilita transferências de até R$ 10 mil do exterior para o Brasil

Banco Central definiu que o destinatário final receberá os recursos no País em reais, sem a necessidade de fazer operações de câmbio ou de arcar com custos adicionais

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2018 | 19h49

BRASÍLIA - O Banco Central editou nesta quinta-feira, 20, uma circular que busca facilitar as transferências unilaterais de recursos do exterior para o Brasil. Pelas novas regras, que valerão a partir de 1º de novembro, o destinatário final receberá os recursos em sua conta corrente ou de poupança, no Brasil, em reais, sem a necessidade de fazer operações de câmbio ou de arcar com custos adicionais. Isso vale para operações de transferências pessoais de até R$ 10 mil. 

Antes, quando um trabalhador que está em outro país enviava recursos para sua família no Brasil, o destinatário do dinheiro precisava realizar operação de câmbio (trocar a moeda estrangeira por reais). O processo era mais burocrático e era preciso arcar com custos operacionais no Brasil. Além disso, até que a operação fosse feita, não se sabia exatamente quanto o destinatário receberia, em reais.

Agora, conforme o BC, todos os custos da operação ficarão a cargo do remetente, no banco de origem. Assim, um trabalhador brasileiro que estiver no Japão, por exemplo, resolverá toda a questão do envio em seu banco. Quando o dinheiro chegar à conta corrente do familiar, no Brasil, ele já estará convertido em reais e não haverá burocracia adicional.

Os dados mais recentes do BC mostram que as receitas do País com transferências pessoais somaram US$ 1,482 bilhão de janeiro a julho. Apenas em julho, foram US$ 211 milhões.   

As novas regras entram em vigor em 1º de novembro. No entanto, o Banco Central informou que a nova sistemática é facultativa. "As instituições financeiras que quiserem operá-la adotarão políticas e procedimentos em seu relacionamento com a instituição remetente dos recursos no exterior, inclusive em relação à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo, equivalentes àquelas atualmente exigidas pela regulamentação cambial no tocante às relações internacionais entre bancos correspondentes", explicou o BC, na nota.

Mais conteúdo sobre:
Banco Central do Brasil câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.