Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BC faz nova intervenção no mercado de câmbio

Para conter a escalada de alta do dólar, que chegou ao patamar máximo de R$ 2,3750 - recorde alcançado depois da desvalorização cambial, o Banco Central (BC) realizou um leilão de títulos cambiais (NBC-E) com vencimento em 14 de março de 2002. O volume oferecido foi de dois milhões de títulos. Com o leilão, o dólar recuou para R$ 2,3530 e há pouco já estava cotado a R$ 2,3440. Segundo operadores das mesas de câmbio, a tendência é que as cotações recuem ainda mais. Ontem o BC já havia feito uma oferta de 1 milhão de títulos, volume que ficou abaixo da demanda apresentada pelos investidores. Segundo os analistas, a escassez de moeda norte-americana no mercado financeiro é novamente o motivo para a alta forte do dólar. Em momentos de instabilidade como o atual, os investidores tendem a aumentar o volume de dólares em carteira, como forma de segurança (hedge). Ou seja, há uma forte migração de recursos de ativos mais arriscados para ativos mais seguros, no caso, o dólar. Não há fato novo, mas o impacto do racionamento de energia na economia brasileira, o desenrolar da crise política no Brasil e as incertezas em relação à Argentina continuam pesando de forma muito negativa na avaliação dos investidores. Veja mais informações sobre os mercados no link abaixo.

Agencia Estado,

25 de maio de 2001 | 12h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.