BC faz novas intervenções no mercado de câmbio

Em mais um dia de instabilidade nos mercados, o dólar subiu com força durante a manhã. Para conter a escalada das cotações, o Banco Central (BC) leiloou 3,2 milhões de títulos cambiais com vencimento em 21 de fevereiro de 2002. A alta da moeda norte-americana é justificada pela escassez de dólares no mercado. Quem tem o ativo em carteira não vende e os investidores que não têm vão ao mercado para comprá-lo. O objetivo dos investidores, neste caso, é formar uma posição de hedge (segurança) contra as incertezas da economia mundial, ampliadas ainda mais depois dos ataques terroristas aos Estados Unidos. Conflito armado e recessão mundial estão dentro das possibilidades, segundo analistas, e estes cenários são os piores para os países emergentes, pois deve significar escassez de recursos estrangeiros em economias já muito dependentes deste dinheiro.No mercado financeiro, este nervosismo apresentado pelos investidores já era esperado, pois são cada vez maiores as possibilidades de uma reação pesada dos EUA contra os ataques. O dólar chegou a ser vendido a R$ 2,7160 com alta de 2,11%. Depois do leilão de títulos, o dólar recuou e chegou a ser cotado a R$ 2,6750 na ponta de venda. Há pouco, estava em R$ 2,6900, com alta de 1,13% em relação aos últimos negócios de ontem. Durante a manhã, o BC chegou a vender dólares no mercado à vista, mas ainda não se sabe qual o volume desta operação. Operadores acreditam que o montante tenha ultrapassado os US$ 50 milhões diários habituais.Para os investidores, a ordem é fugir dos ativos de risco a qualquer preço, leia-se renda variável, e buscar refúgio em títulos do Tesouro norte-americano, ouro e petróleo. O aumento da demanda por petróleo fez os preços dispararem em Londres esta manhã. Os contratos de petróleo tipo brent para entrega em novembro chegaram a subir US$ 29,82, alta de US$ 1,8 em relação ao fechamento de ontem. O preço do ouro, por sua vez, su biu de US$ 280,25, ontem à tarde, a US$ 286,50 por onça-troy esta manhã.No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tem mais um dia de queda vertiginosa. O Ibovespa- Índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa - está em baixa de 5,56%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 25,370% ao ano, frente a 24,600% ao ano ontem.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.