BC inglês eleva juros; BC europeu mantém taxas

O Banco Central da Inglaterra elevou em 0,25 ponto porcentual a taxa de recompra de títulos, para 3,75%, de 3,5%, pela primeira vez desde fevereiro de 2000, após reunião de dois dias de seu comitê de política monetária. A decisão ficou em linha com as estimativas. Uma pesquisa da Dow Jones feita na semana passada mostrou que todos os 21 economistas britânicos consultados esperavam elevação de 0,25 ponto porcentual do juro. O BC inglês torna-se o primeiro do G7 a elevar as taxas de juros, num momento em que a economia global sai de uma desaceleraçào de três anos. O comitê de política monetária do Banco Central da Inglaterra afirmou que a recuperação da economia global está ganhando força e que os créditos e gastos com consumo permanecem mais fortes que o esperado. A instituição afirmou ainda que o mercado não se desacelerou como o comitê havia estimado. Como resultado, pressões inflacionárias deverão crescer gradualmente à medida que a demanda aumenta. O comitê destacou que a desvalorização da libra no começo deste ano poderá servir de estímulo para a alta dos preços. A última vez em que o BC inglês havia elevado o juro foi em fevereiro de 2000. As informações são da Dow Jones. BC Europeu mantém taxas O Banco Central Europeu (BCE) manteve inalteradas as taxas de juros para a zona do euro. A decisão, em linha com as estimativas de mercado, manteve a taxa mínima de compra (repo), que o banco cobra em suas principais operações de refinanciamento, em 2%, o menor nível na maior parte dos países da zona do euro desde a II Guerra Mundial. A reunião do conselho diretor do BCE foi a primeira a ser presidida pelo novo presidente da instituição, Jean-Claude Trichet, que assumiu o cargo em 1º de novembro. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.