BC inglês eleva taxa de juros; o europeu mantém a mesma

O Banco Central da Inglaterra (BOE) elevou a taxa de recompra do Reino Unido em 0,25 ponto percentual, de 4% para 4,25%, após o encontro de dois dias do comitê de política monetária. A decisão do BOE confirmou os prognósticos dos 25 economistas consultados pela Dow Jones. O banco informou que a alta da taxa de juros foi uma resposta à perspectiva de crescimento das pressões inflacionárias, em um ambiente de gastos fortes no varejo e de capacidade livre das empresas reduzida. O comunicado do BOE mostrou uma preocupação mais acentuada do que a esperada sobre a inflação e o boom do mercado imobiliário.Apesar de o Banco Central da Inglaterra ter agido em linha com a previsão dos analistas, a libra esterlina recebeu uma onda de compras após o anúncio da elevação da taxa de juros no Reino Unido, com os investidores considerando o tom do comunicado da instituição agressivo em relação às projeções futuras. A libra subiu de US$ 1,7934, para US$ 1,7972 após a decisão. O Banco da Inglaterra começou a elevar a taxa de recompra da mínima em 48 anos em novembro, tornando-se o primeiro dos quatro grandes BCs a promover aperto monetário desde as recessões dos Estados Unidos, Alemanha e Japão em 2001 e 2002. BCE mantém taxas inalteradasO Banco Central Europeu (BCE) manteve inalterada as taxas de juro na zona do euro, conforme as expectativas do mercado. A taxa mínima de oferta, utilizada do BCE nas operações de refinanciamento, foi mantida em 2%, menor nível para a maior parte dos países do grupo desde a Segunda Guerra Mundial. A decisão não alterou as cotações do euro, que manteve a pequena baixa com que vinha operando antes do fim da reunião. Às 9h02 (de Brasília), o euro recuava a US$ 1,2125, de US$ 1,2164 no fechamento. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.