BC inglês libera US$ 100 bi para conter crise financeira

Instituição trocará temporariamente bônus do tesouro por hipotecas bancárias para dar liquidez ao mercado

Daniela Milanese, da Agência Estado,

21 de abril de 2008 | 08h25

O Banco da Inglaterra (BOE) anunciou nesta segunda-feira, 21, um plano de ajuda ao sistema bancário, que enfrenta crise de liquidez no país. No valor de 50 bilhões de libras (US$ 100 bilhões), a medida permite que os bancos troquem temporariamente papéis do setor de hipoteca por títulos do governo. O objetivo é destravar as instituições financeiras, pois o elevado risco de contraparte existente hoje está impedindo que as instituições emprestem dinheiro entre si.  Veja também:  Lucro do Bank of America cai 77% com perdas em créditoCronologia da crise financeira  Entenda a crise nos Estados Unidos   "Pelo esquema, os bancos poderão, por um período, trocar ativos sem liquidez por Treasury Bills de boa qualidade", diz o comunicado do BOE. Segundo a autoridade monetária, atualmente diversos mercados de crédito estão fechados e os bancos carregam em seus balanços muitos ativos baseados em hipotecas, que hoje não podem ser vendidos nem usados como garantias para a tomada de recursos novos. No entanto, conforme as regras do plano de ajuda, a responsabilidade pelas perdas com os empréstimos imobiliários continua com as instituições financeiras. A troca por títulos do governo terá período de um ano, renovável por no máximo mais três anos. O mecanismo só valerá para ativos existentes no final de 2007 e não poderá ser usado para novos financiamentos. Durante o período de troca, os bancos terão de pagar uma taxa baseada no juro interbancário (Libor para três meses). O pacote ficará aberto por seis meses, a partir desta segunda. "O plano especial do Banco da Inglaterra é desenhado para melhorar a posição de liquidez do sistema bancário e elevar a confiança no mercado financeiro, enquanto assegura que o risco de perdas nos empréstimos feitos ficará com os bancos", diz o presidente do BOE, Mervyn King, por meio de comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco da Inglaterracrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.