BC iniciará troca das moedas de R$ 1,00 de aço inoxidável

O diretor de Administração do Banco Central, João Fleury, informou que o BC iniciará a partir da próxima semana um processo de substituição das moedas de R$ 1,00 feitas em aço inoxidável, que foram lançadas com o Plano Real, em 1994, e que ainda estão em circulação. O objetivo é substituí-las por cédulas e por moedas que já estão em circulação desde 1998, e que tem um anel amarelado feito por um processo de eletrodeposição de aço de baixo carbono, com tratamento químico. A explicação para a troca é que as moedas antigas, segundo o BC, eram de difícil identificação pelo usuário e muito falsificadas. Segundo João Fleury, as antigas moedas deixarão de ter validade em 90 dias, a partir da próxima semana, quando será lançada uma campanha de esclarecimento sobre o processo de troca. Também serão dados 180 dias para a troca dessas moedas nas agências bancárias e mais um período indeterminado para a troca nas representações do BC e do Banco do Brasil. Atualmente, segundo o diretor do BC, existem em circulação 211,102 milhões moedas antigas de R$ 1,00. Estão também em circulação 83 milhões 713 mil novas moedas e outras 76,073 milhões em estoque. O BC, segundo Fleury, pretende fabricar mais 64 milhões 240 mil novas moedas até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.