Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

BC intervém no mercado futuro para frear alta do dólar

O Banco Central vendeu 2,7 bilhões de dólares em contratos de swap tradicional em leilão nesta quinta-feira, reduzindo a alta do dólar.

REUTERS

22 de setembro de 2011 | 16h22

A operação serviu para antecipar o vencimento de parte dos contratos de swap cambial reverso no mercado. O último leilão de swap tradicional ocorreu em junho de 2009.

Em nota, a autoridade monetária afirmou que "poderá voltar a atuar, a qualquer momento, de modo a assegurar condições apropriadas de liquidez nos mercados de câmbio".

A moeda norte-americana diminuiu a valorização a 1,61 por cento às 15h36, a 1,8880 real, ante quase 5 por cento de alta pouco antes do anúncio, quando chegou a 1,95 real.

Foram vendidos 13.375 dos 39.590 contratos para 3 de outubro de 2011; 9.575 dos 18.200 contratos para 1o de novembro de 2011; todos os 3.000 contratos para 1o de dezembro de 2011; e 29.125 dos 51.500 contratos para 2 de janeiro de 2012.

Ao todo, foram vendidos 55.075 dos 112.650 contratos em oferta, ou 49 por cento do total.

Na véspera, o BC já havia anunciado que não rolaria os contratos de swap reverso no final deste mês.

O swap cambial reverso é um derivativo que funciona como uma compra de dólares pelo BC no mercado futuro. Ao desfazer essa operação, é como se o BC vendesse dólares no futuro.

Uma fonte da equipe econômica já havia dito à Reuters também na quarta-feira que o BC avaliaria no futuro, dependendo das condições de mercado, antecipar os futuros vencimentos de swap reverso. A venda de dólares no mercado à vista, disse a fonte, não era necessária por causa da continuidade do fluxo de capitais para o país.

(Reportagem de Silvio Cascione)

Tudo o que sabemos sobre:
BACENSWAPATUATRES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.