BC já fez 12 leilões para financiar exportações

O Banco Central já ofereceu ao mercado praticamente metade dos US$ 2 bilhões que prometeu colocar nas mãos das instituições para melhorar a liquidez das operações de crédito para exportações. Do dia 23 de agosto até sexta-feira passada, o BC realizou 12 leilões de venda de dólares destinados ao financiamento de exportações. A oferta total do Banco Central foi de US$ 965 milhões. Na prática, entretanto, foram vendidos US$ 616,87 milhões, já que em duas oportunidades o BC não aceitou nenhuma das propostas apresentadas e fez vendas parciais em algumas outras. O recuo na demanda fez com que os diretores do Banco Central implementassem algumas mudanças na forma de operacionalização dos leilões. Os leilões de financiamento para exportações que o BC está fazendo buscam compensar, em parte, a redução das linhas de crédito que eram oferecidas por instituições estrangeiras aos exportadores brasileiros. É uma resposta interna que está sendo dada paralelamente ao trabalho da equipe econômica que vêm buscando convencer os banqueiros e investidores a não reduzirem suas operações com o Brasil. Inicialmente, o BC determinou que os bancos autorizados a operar com a autoridade monetária no mercado de câmbio - os dealers - só poderiam repassar os recursos adquiridos nos leilões diretamente para os exportadores. Uma semana após a implementação do mecanismo, o diretor de Assuntos Internacionais do BC, Beny Parnes, e o diretor de Política Monetária, Luiz Fernando Figueiredo, anunciaram algumas alterações nos procedimentos operacionais dos leilões, o que gerou um maior apetite por parte das instituições financeiras pelos dólares do BC. Desde terça-feira passada os dealers estão autorizados a repassar os recursos adquiridos nos leilões para outras instituições financeiras e não somente para exportadores. Além disso, o volume de dólares oferecido nos leilões e o prazo de pagamento das linhas de financiamento estão sendo decididos diariamente, após uma consulta aos dealers por parte do BC. O Banco Central fez quatro leilões dentro das novas regras estabelecidas e vendeu cerca de 70% dos US$ 250 milhões ofertados nestas operações. Nos dois primeiros dias, o BC vendeu integralmente a oferta feita. Somente nos dois últimos dias da semana passada é que a autoridade monetária não vendeu, por completo, os dólares oferecidos. Apesar do Banco Central não ter vendido todos os dólares oferecidos ao mercado nestes 12 leilões feitos até agora, a procura por parte das instituições não foi pequena. Para os US$ 965 milhões ofertados pelo BC desde o dia 23, os dealers fizeram propostas para a compra de US$ 1,416 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.