coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

BC japonês cogita aumentar a frequência de compras governamentais

Uma autoridade sênior do Banco do Japão, banco central do país, disse nesta quarta-feira que o BC vai considerar aumentar a frequência de suas compras de títulos da dívida do governo de longo prazo, em resposta aos temores dos operadores sobre distorções do mercado.

STANLEY WHITE, Reuters

17 de abril de 2013 | 09h38

A mudança na estratégia veio depois que muitos operadores de títulos pediram ao BC japonês, em uma reunião nesta quarta-feira, para comprar quantidades menores de dívida em operações de mercado com mais frequência, à medida que as instituições financeiras tentam se adaptar à nova estrutura de política monetária do banco.

Um grande aumento no número de operações mensais será difícil, disse a autoridade do BC, pois há uma janela limitada quando o banco pode comprar títulos. Ainda assim, até mesmo um leve aumento pode ajudar a aliviar a recente volatilidade nos rendimentos de longo prazo.

"Isso não será fácil, mas já que muitas pessoas têm a opinião de que nós devemos aumentar a frequência, nós queremos avaliar como fazê-lo", afirmou a autoridade.

A autoridade falou a reportéres depois que o BC se reuniu com operadores de títulos.

O BC japonês chocou os investidores ao revisar sua política monetária quando definiu dobrar a quantidade de títulos da dívida do governo que detém para diminuir os rendimentos de longo prazo e acabar com 15 anos de deflação.

Sob sua nova política, o BC compra por volta de 1 trilhão de ienes da dívida de 5 a 6 vezes por mês, uma quantidade que até mesmo a autoridade sênior admitiu ser rara para uma única ordem.

Apesar da intenção do Banco do Japão de abaixar a curva de rendimento, os rendimentos vêm aumentando desde o anúncio do banco, devido a preocupações de que as compras do BC são grandes demais e irão tirar do mercado outros investidores institucionais.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROJAPAOBCCOMPRAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.