BC: juros para consumidor têm leve alta

As taxas de juros cobradas em agosto para crédito pessoal e no cheque especial mantiveram-se praticamente no mesmo nível do registrado em julho, com ligeira tendência de alta. De acordo com os dados apurados pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), a taxa de juros média cobrada do cheque especial no mês passado foi de 158,1% ao ano, ante 158,7% registrado em julho. No caso das operações de crédito pessoal, a taxa média registrou um pequena elevação, passando de 82,8% ao ano em julho, para 83,7% no mês passado.Os juros cobrados para o financiamento de automóveis também mantiveram-se estáveis em relação a julho. A taxa média passou de 50,4% ao ano para 50% ao ano. O volume total de crédito concedido às pessoas físicas em agosto foi de R$ 76,215 bilhões, o que representou um ligeiro crescimento de 0,4% em relação ao volume registrado em julho, que era de R$ 75,875 bilhões. As operações de crédito por meio de cheques especiais totalizaram R$ 9,029 bilhões, o que representa uma queda de 1,1% frente ao volume concedido em julho.Os financiamentos de veículos movimentaram R$ 26,969 bilhões e o financiamento imobiliário, mais R$ 1,857 bilhão. No caso das empresas, os créditos concedidos no mês passado somaram R$ 132,022 bilhões, queda de 3,8% frente aos financiamentos de julho. Os técnicos do Depec afirmam, em documento divulgado há pouco, que essa queda está ligada à redução do saldo das carteiras referenciadas em moeda estrangeira. O estoque dessas operações, de acordo com os dados do Depec, recuaram 7,2%, por causa da valorização de 11,85% do real frente ao dólar no mês passado. As operações de repasses externos sofreram uma queda de 12,7%, passando de R$ 26,929 bilhões em julho para R$ 23,514 bilhões em agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.