BC muda compulsório de novo e, no limite, libera R$ 6 bilhões

Bancos que anteciparem parcelas da contribuição ao Fundo Garantidor de crédito terão dedução no depósito

Reuters,

27 Outubro 2008 | 12h11

O Banco Central anunciou nesta segunda-feira, 27, novas mudanças no recolhimento compulsório sobre depósitos à vista, permitindo uma dedução para bancos que "voluntariamente" anteciparem parcelas da contribuição ordinária ao Fundo Garantidor de Crédito (FGC).   Veja também: Veja o que muda com a Medida Provisória 443 Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    Segundo circular divulgada pelo BC, a antecipação deverá corresponder a 60 vezes o valor da contribuição ordinária relativa ao mês de agosto deste ano, recolhida ao FGC em 1º de outubro último.   O BC informou por meio de sua assessoria que, caso todos os bancos que contribuem para o FGC aderissem à nova regra, o volume de abatimento do compulsório equivaleria a R$ 6 bilhões. "A medida dá continuidade às ações do Banco Central para prover liquidez ao mercado", afirmou a autoridade monetária.   O FGC é uma entidade privada que garante os depósitos bancários no Brasil. A dedução do compulsório, segundo o BC, se dará pelo número de meses equivalente ao das parcelas antecipadas.   Nas últimas semanas, o BC anunciou uma série de mudanças nos compulsórios de modo a liberar mais recursos no sistema bancário e enfrentar a crise global de crédito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.