BC muda regras para cooperativas de crédito

A diretoria do Banco Central decidiu flexibilizar a exigência de patrimônio das cooperativas de crédito para fazer frente as suas operações de empréstimo. A medida, que altera o chamado índice de Basiléia dessas entidades, permitirá às cooperativas emprestar mais recursos aos seus filiados sem a necessidade de aumentar seu patrimônio líquido exigido (PLE). A decisão significa que as cooperativas centrais de crédito precisarão agora ter um patrimônio líquido mínimo equivalente a 11% do total das suas operações de empréstimos, e não mais de 13% como vinha sendo praticado até agora. Isso significa que, se as cooperativas tinham, por exemplo, R$ 100 mil em operações de empréstimo, o patrimônio mínimo exigido era de R$ 13 mil. Agora, para o mesmo volume de recursos emprestados, o patrimônio líquido mínimo exigido será de R$ 11 mil. Isso significa também que será possível às cooperativas oferecer um volume maior de recursos. Essas alterações já vinham sendo estudadas pelo BC há algum tempo. No início do mês passado, o diretor de Normas Sérgio Darcy havia adiantado que alguns mecanismos estavam sendo estudados para permitir uma elevação no potencial de empréstimo dessas cooperativas de crédito. Ainda de acordo com a decisão tomada pela diretoria do BC, ficou estabelecido que os bancos cooperativos seguirão os mesmos critérios utilizados pelos bancos múltiplos e comercias no País, no que se refere à capacidade e aos limites da oferta de crédito. Com isso, essas instituições serão obrigadas a apresentar um patrimônio líquido mínimo de 11% do total de suas operações de empréstimos.

Agencia Estado,

17 Julho 2003 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.