finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BC não vê razão para rever projeção do PIB

Para Meirelles, Brasil tem condição de avançar 4,7%

Nilson Brandão Junior, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2024 | 00h00

Apesar da turbulência internacional, provocada pela crise do mercado de crédito imobiliário americano, o Brasil conseguirá crescer 4,7% este ano, segundo previsão feita em julho pelo Banco Central (BC) para 2007. A avaliação foi feita ontem pelo presidente do BC, Henrique Meirelles. Segundo ele, deverá ocorrer "uma certa desaceleração" na economia americana, mas não há motivos para rever para baixo a expectativa de crescimento do Brasil.Meirelles disse que a economia brasileira atualmente é mais "resiliente", que a expansão do País está sendo impulsionada pela demanda interna, que a inflação está na meta e a economia, estabilizada. "O País tem condições, portanto, de manter uma trajetória de crescimento sustentado. É isso que faz a diferença para o Brasil", declarou Meirelles, que participou ontem de um seminário sobre inflação, na sede do Banco Central no Rio.Ele reconhece que existe no mercado e entre economistas a discussão sobre a extensão da crise. "Até que ponto ela (a desaceleração) se tornará maior ou não está em discussão", afirmou. Embora considere prematuro dizer que a crise pode aumentar muito, ele reconhece que uma desaceleração no mundo atingiria a economia global."Uma desaceleração no mundo muito forte, caso ocorra, certamente prejudicará o crescimento de todos os países que fazem parte importante da economia mundial. Não há duvida de que uma recessão muito forte nos Estados Unidos e uma contração da economia mundial afetariam o Brasil. Está um pouco prematuro para dizer que isso vá acontecer", disse, citando que não há "indicativos nesse nível de magnitude".Para o presidente do BC, a grande lição que se pode tirar é que o Brasil conseguiu melhorar seus fundamentos econômicos em um momento "extremamente benigno". "O Brasil reforçou seus fundamentos não só externos, mas internos, fiscais e monetários", afirmou. Na avaliação de Meirelles, "o maior desafio" do País é criar condições para que possa crescer a taxas mais elevadas por um longo prazo.IMPACTOSUm estudo feito pelo Banco UBS para a economia mundial indica que os efeitos de um agravamento da crise nos Estados Unidos seriam "muito concentrados na economia americana" e com impacto de apenas 0,1% sobre o desempenho da economia brasileira, segundo o economista-chefe do UBS Pactual para a América Latina e ex-diretor do Banco Central, Eduardo Loyo. Ele comentou que o estudo partiu das hipóteses de uma queda sustentada das ações nos Estados Unidos de 10%, uma baixa dos preços dos imóveis no mercado americano também de 10% e uma alta de juros na economia americana de 100 pontos-base. Para ele, a redução do "impulso global vai ser menos importante no Brasil em função da demanda doméstica".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.