coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

BC nega problemas nos vencimentos da dívida

O Banco Central e o Tesouro Nacional tentaram mais uma vez tranqüilizar o mercado financeiro, em teleconferência promovida nesta manhã pelo banco J.P. Morgan, na qual participaram os diretores Luiz Fernando Figueiredo (Política Monetária), Ilan Goldfajn (Política Econômica) e Beny Parnes (Assuntos Internacionais), além do secretário do Tesouro Nacional, Eduardo Guardia. Eles foram enfáticos em afirmar que não há a possibilidade de problemas para os próximos vencimentos da dívida interna e externa do governo, que estariam devidamente garantidos tanto pelo colchão de liquidez acumulado ao longo dos últimos meses quanto pelos bons resultados do superávit fiscal que as diferentes esferas de governo e estatais vêm - e devem continuar - registrando.Os diretores do Banco Central e o secretário do Tesouro Nacional também esclareceram aos analistas e investidores que participaram da teleconferência alguns detalhes adicionais sobre a recompra dos títulos da dívida externa que o BC anunciou, no bojo das medidas econômicas para conter a volatilidade dos mercados. Segundo fonte que participou da teleconferência, o BC disse que não pretende fazer anúncios para essas recompras, que ocorreriam aos poucos no mercado, nos momentos em que a autoridade monetária considerar oportunos. Também afirmaram que o valor de US$ 3 bilhões anunciado para essas recompras poderá ser superado - mais uma vez, se o BC achar necessário.Os diretores do Banco Central também mandaram um recado de que não pretendem elevar as taxas de juros na atual conjuntura. Lembraram, nesse sentido, segundo fonte que participou da entrevista, que o mercado futuro de juros já elevou substancialmente suas projeções - o que traz efeitos diretos sobre os níveis de crédito - e reforçaram a tese de que as medidas adotadas recentemente pelo BC em termos de restrição de liquidez no mercado, como o aumento do compulsório a prazo, são mais efetivas na regulação dos preços. Quando questionados sobre qual seria o gatilho para que o BC utilizasse o viés de baixa adotado na última reunião do Copom, a resposta dos diretores foi: "quando houver redução nas turbulências".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.