BC: nível atual do déficit externo não é preocupante

Apesar dos números do Banco Central divulgados hoje mostrarem que o déficit em conta corrente das transações externas em 12 meses atingiu o pior nível desde agosto de 2002 e no primeiro quadrimestre o pior nível da série histórica, o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, afirmou que o nível atual do déficit em conta corrente, na casa de 1% do Produto Interno Bruto (PIB), "não é preocupante".Ele destacou que esse saldo negativo na conta corrente, nos últimos 12 meses, foi mais do que coberto pelo Investimento Estrangeiro Direto (IED) recorde para o período, de US$ 37,2 bilhões (2,75% do PIB). "A situação é tão confortável que o capital estável que é o IED financia todo o déficit. No passado, nós tivemos que recorrer a outras fontes de financiamento para fechar o balanço", afirmou Altamir.Apesar de nos quatro primeiros meses do ano o déficit em conta corrente de US$ 14,068 bilhões ter superado os US$ 12,671 bilhões de IED, Altamir calcula que ao longo do ano essa situação será revertida, porque o déficit externo tenderia a arrefecer, enquanto o IED deve seguir com um fluxo forte no ano.Para os próximos meses, Altamir Lopes diz que o déficit em conta corrente deve apresentar "acomodação" e que o comércio exterior deve colaborar com a melhora dos números. "A expectativa é que haja acomodação. O déficit não vai continuar com esse crescimento", disse. "E o que vai fazer a diferença é o comércio exterior", completou.Ele explica que deve haver "regularização dos fluxos comerciais" brevemente. Isso deve acontecer porque as dificuldades registradas pelo setor nos últimos meses tendem a diminuir. Altamir cita como exemplo os obstáculos para o embarque de produtos para a exportação em meio à greve dos auditores federais que acabou há alguns dias.Também foram registrados problemas no transporte de soja e minério e dificuldade no trânsito de mercadorias entre Brasil e Argentina nas últimas semanas.Outro fator que deve favorecer as contas, na avaliação do BC, é a diminuição da remessa de lucros e dividendos por empresas multinacionais instaladas no Brasil. Altamir diz que esse fluxo costuma ser maior no início do ano e que a tendência é que os valores diminuam de agora em diante.O déficit em conta corrente no acumulado dos quatro primeiros meses de 2008 - entre janeiro e abril - já supera a expectativa do próprio Banco Central para o resultado em todo o ano. Dados divulgados nesta segunda-feira mostram que o quadrimestre teve déficit de US$ 14,068 bilhões. No mesmo documento, o BC estima que o ano deve ter saldo negativo de US$ 12 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.