finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BC: País tem saldo positivo de US$ 14,598 bi em outubro

O fluxo cambial em outubro registrou ingresso líquido de US$ 14,598 bilhões, segundo dados divulgado hoje pelo Banco Central. O valor é o maior desde junho de 2007, quando o Brasil havia recebido US$ 16,561 bilhões, e muito diferente do observado em outubro de 2008, em meio ao agravamento da crise financeira, quando o País havia perdido US$ 4,639 bilhões. Segundo o BC, o ingresso no mês passado foi liderado pelo segmento financeiro, em que são somadas as transferências de recursos para a compra de ações e títulos e investimentos produtivos, entre outras operações.

FERNANDO NAKAGAWA, Agencia Estado

04 de novembro de 2009 | 13h04

Nessa conta, entraram US$ 13,106 bilhões, o melhor resultado da série histórica iniciada em janeiro de 1982. O valor foi resultado de ingresso totais de US$ 39,705 bilhões e saídas de US$ 26,599 bilhões. No segmento comercial, outubro encerrou com entrada líquida de US$ 1,492 bilhão, cifra gerada por exportações de US$ 14,304 bilhões e importações de US$ 12,812 bilhões.

Na última semana do mês, entre os dias 26 e 30, já sob as novas regras de tributação de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para o capital estrangeiro, o fluxo cambial teve ingresso líquido de US$ 1,757 bilhão, sendo que a conta financeira contribuiu com US$ 1,085 bilhão desse resultado. Os US$ 672 milhões restantes foram obtidos pelo segmento comercial.

No acumulado do ano até o dia 30 de outubro, o fluxo cambial tem ingresso líquido de US$ 22,856 bilhões. Nesse período, o segmento financeiro teve entrada líquida de US$ 13,255 bilhões e a conta comercial contribuiu com US$ 9,600 bilhões. Em igual período de 2008, o fluxo cambial registrava saldo positivo de US$ 12,549 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbioBCfluxo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.