BC prevê aumento maior do gás de cozinha

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) aumentou significativamente sua projeção para o reajuste dos preços do gás de cozinha neste ano. A nova estimativa é de um reajuste de 42%. Na reunião de junho, a expectativa era de que o gás de cozinha sofresse, ao longo de 2002, um reajuste de 28%. Houve ainda uma redução na estimativa do porcentual de queda dos preços da gasolina. Até junho, o Copom acreditava que estes preços sofreriam uma queda de 4,5% este ano. Agora, o comitê estima que essa redução deverá ser de 2%.O Copom reduziu ainda sua projeção para o reajuste das tarifas elétricas em 2002, mas aumentou para 2003. De acordo com a ata da reunião da semana passada do Comitê, a expectativa dos diretores do BC é de que os preços das tarifas de eletricidade serão reajustados, neste ano, em 19,2%, ante 19,4% previstos em junho. Para 2003, entretanto, a projeção do BC é de um reajuste de 14,4% e não mais os 12,3% previstos na reunião do mês passado. A elevação foi justificada pelos diretores do BC como decorrência da depreciação cambial e do aumento da inflação esperada para o próximo ano.

Agencia Estado,

24 de julho de 2002 | 14h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.