BC: queda no ritmo da economia ainda não é suficiente

Apesar de diagnosticar uma desaceleração da economia brasileira neste início do ano, o Banco Central ainda não está satisfeito com a redução do ritmo de expansão. "A economia está andando em ritmo menor do que em 2010, mas a questão é: isso é suficiente? Não", afirmou o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton Araújo, em entrevista após apresentação de boletim regional na capital pernambucana.

RENATO ANDRADE, ENVIADO ESPECIAL, Agencia Estado

19 de maio de 2011 | 14h41

Segundo o diretor, a economia vai desacelerar de forma mais acentuada a partir da segunda metade do ano, por conta da defasagem existente entre as ações tomadas pelo BC e seus efeitos práticos. Entre as medidas adotadas, Carlos Hamilton citou a elevação da taxa básica de juros (Selic), o aumento dos depósitos compulsórios exigidos dos bancos e o esforço do governo em controlar a expansão do gasto público. "Tudo isso caminha na mesma direção de conter a demanda agregada, mas existe uma defasagem entre a adoção das medidas e seus impactos na atividade e na inflação", disse o diretor.

Ainda assim, Hamilton considera que os dados sobre o mercado de crédito em abril mostram os primeiros sinais das ações praticadas pelo BC. "Acabei de mostrar a evolução do mercado de crédito e tem elementos mostrando que este mercado está mais contido", disse o diretor. "De qualquer maneira, isso ainda são os efeitos iniciais. Os efeitos maiores vão acontecer mais para o final do ano", acrescentou.

O diretor do BC deixou claro que se for identificada a necessidade de adotar novas medidas de cunho prudencial, como aconteceu em dezembro do ano passado, o Banco Central irá tomá-las. Ainda assim, Hamilton voltou a insistir que o Comitê de Política Monetária (Copom) deixou claro em sua última reunião que o ciclo de aperto dos juros será "suficientemente prolongado" para trazer a inflação de volta ao centro da meta em 2012.

Crédito

O volume de crédito concedido pelo sistema financeiro nacional em abril ficou 3,4% abaixo do registrado em março, segundo o diretor de Política Econômica do BC. De acordo com os dados mostrados pelo diretor, durante apresentação em Recife, a média diária de concessões de crédito ao longo do mês passado ficou em R$ 708 milhões. Em novembro de 2010, antes da adoção das medidas de contenção do crédito por parte do Banco Central, a média estava em R$ 715,1 milhões. Olhando o comportamento do mês como um todo, as concessões em abril ficaram 9,8% abaixo do verificado em novembro do ano passado. Todos os dados são dessazonalizados.

Ao mesmo tempo em que o BC registrou uma queda no volume de dinheiro emprestado, houve também um aumento da taxa de juro cobrada nas operações. Em abril, o juro médio cobrado nas operações de crédito pessoal atingiu 51,3% ao ano, um aumento em relação aos 47,3% ao ano praticados em março e aos 42% ao ano de novembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.