BC reafirma declaração de Meirelles sobre Opportunity

O Banco Central divulgou hoje uma nota reafirmando o que disse ontem, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado, o presidente do BC, Henrique Meirelles, a respeito da atividade de fiscalização de instituições financeiras. Ao ser questionado por senadores sobre a fiscalização do BC em relação a supostas irregularidades no Banco Opportunity, de Daniel Dantas, Meirelles respondeu, sem citar nomes, que a função do BC é a de fiscalizar a saúde financeira dos bancos e detectar problemas que possam comprometer a saúde financeira do sistema. A fiscalização, segundo Meirelles, é feita em sigilo, e quando são identificados crimes as informações são repassadas ao Ministério Público.Segue a íntegra da nota divulgada pela Assessoria de Imprensa do BC:"Em relação a informações veiculadas sobre as atividades de fiscalização de instituições financeiras, conforme abordagem do presidente Henrique Meirelles em audiência na CAE, o Banco Central do Brasil esclarece que:- A legislação brasileira atribui aos órgãos públicos diferentes papéis e esferas de atuação na fiscalização do Sistema Financeiro Nacional.- Ao BC cabe fiscalizar rigorosamente as instituições financeiras e as ações de seus dirigentes e, quando cabível, adotar, na sua esfera de atuação, as sanções previstas na legislação bancária. A fiscalização de fundos de investimentos cabe à Comissão de Valores Mobiliários.- Durante o curso de seu trabalho de fiscalização, caso o BC encontre indícios de crime, ele comunica ao Ministério Público, a quem cabe determinar investigações de natureza penal, podendo este requisitar a atuação da Polícia Federal. O BC colabora regularmente com a Polícia Federal, fornecendo informações não protegidas pelo sigilo bancário. As informações sigilosas são encaminhadas à Polícia Federal mediante prévia determinação judicial.- Cabe às instituições financeiras comunicar ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) as operações suspeitas de lavagem de dinheiro. Caso o BC verifique, no curso da atividade de fiscalização, que a instituição não comunicou operações suspeitas, informa ao Coaf e adota as providências relativas a sua esfera de competência.- Os eventuais processos administrativos abertos pelo BC em função do descumprimento da legislação bancária estão sujeitos ao sigilo bancário. Em caso de determinação judicial, o BC encaminha essas informações a quem for determinado pela Justiça. O BC não divulga a existência desses processos na instância inicial, de acordo com a diretriz prudencial estabelecida na Lei 4.595, de 1964, que determina que o BC é responsável por zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras. A existência de processos administrativos é divulgada com a publicação da pauta de julgamento do Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.