Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

BC reafirma ver economia melhor no médio prazo

Vai piorar antes de melhorar. Essa é a principal mensagem transmitida pelo Relatório de Inflação do primeiro trimestre de 2015, divulgado ontem pelo Banco Central. É possível, porém, que as coisas, na economia brasileira, piorem mais do que o BC projeta no momento e as melhoras posteriores, embora plausíveis, ainda estão à espera de sinais mais nítidos e convincentes do que os até agora exibidos.

José Paulo Kupfer, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2015 | 02h01

Os principais indicadores para 2015 ficaram piores, em relação às projeções do Relatório de dezembro. Considerando o chamado cenário de referência (taxas de juros estáveis em 12,75% anuais e taxa de câmbio constante em R$ 3,15 por dólar), a inflação passou de 6,1% para 7,9% no ano e a variação do PIB, no fim de 2015, recuou de 0,2% positivo, há três meses, para uma contração de 0,1%.

Com essas projeções, o BC continua atrás das previsões do mercado. No Boletim Focus desta semana, as previsões dos analistas privados apontavam para inflação de 8,12% e retração do PIB de 0,83%, em 2015.

Como essas projeções ainda não parecem ter batido no teto, caso da inflação, e no fundo do poço, caso da variação do PIB, é possível que as estimativas do BC também não tenham encontrado, no Relatório do primeiro trimestre, o seu ponto de estabilidade. Projeções de analistas experientes indicam que a contração da economia pode chegar, ao fim de 2015, ao dobro e até ao triplo do que o BC está prevendo no momento.

O BC descreve, em relação à inflação, um cenário mais benigno para a dinâmica da inflação, a partir de 2016, com convergência da variação do IPCA na direção do centro da meta. Para sustentar essa perspectiva, o atual Relatório confere importância e espaço à avaliação dos mecanismos de repasse da correção dos preços administrados e, sobretudo, da taxa de câmbio aos preços.

Em dois boxes - suplementos detalhados de temas específicos - que acompanham o Relatório, o BC alinha a fraca atividade econômica, as políticas fiscal e monetária restritivas e a queda nas cotações internacionais das commodities entre os elementos capazes de circunscrever, em grande parte, ao curto prazo efeitos inflacionários do realinhamento de preços relativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.