Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

BC reduz projeções de preços e tarifas

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu suas projeções para os reajustes dos chamados preços administrados e outras projeções como a variação do preço da gasolina, do gás de cozinha e das tarifas de energia elétrica. De acordo com a ata da reunião passada do Copom, os diretores do BC estimam que os preços administrados por contrato ou monitorados deverão registrar uma alta de 15,3% em 2003. "A apreciação cambial, a conseqüente diminuição das projeções para os reajustes das tarifas de eletricidade, a diminuição dos preços dos derivados de petróleo foram os maiores responsáveis pela queda de 1,5 ponto percentual em relação às projeções de março", afirmam os diretores na ata. Para 2004, o Copom estima que esse conjunto de preços deverá apresentar um aumento de 8,5%, o que representa uma queda de 0,5 ponto porcentual em relação à projeção feita em março. A queda na estimativa é resultado da diminuição das expectativas de inflação sobre a variação do IGP-M no próximo ano. Para os combustíveis, o Copom reduziu de 12,4% para 8,4% sua estimativa para o aumento da gasolina em 2003. No caso do gás de cozinha, o reajuste esperado pelo BC este ano passou de 4,2% para 1,6%. Essas projeções incorporam tanto os reajustes concedidos no início do ano quanto a redução de preços da gasolina anunciada há poucos dias pela Petrobras. Para as tarifas de energia elétrica, o reajuste estimado pelo BC para 2003 é de 24,5%, o que representa uma queda de 3 pontos porcentuais em relação à projeção feita em março. "Essa diminuição é resultado da apreciação cambial observada desde a reunião do Copom de março", justificam os diretores do BC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.