BC reestima inflação de 2002 para 4,4%

O Banco Central reestimou para 4,4% a projeção de inflação medida pelo IPCA para 2002. A previsão anterior era de 3,7%. A nova previsão consta no relatório de inflação divulgado esta manhã pelo Banco Central e leva em conta uma taxa de juros constante de 18,5% ao ano e a taxa de câmbio da última reunião do Copom, realizada nos dias 19 e 20 de março. A previsão anterior de 3,7% levava em conta uma taxa de juros mais alta, de 19% ao ano e ano, e a taxa de câmbio que vigorava na reunião do Copom dos dias 18 e 19 de dezembro de 2001.A nova estimativa do Banco Central é de que os preços administrados subam em torno de 6,8% em 2002. A previsão anterior era de 5,3%. Segundo o BC, esses preços que são administrados por contrato serão responsáveis por 2,1 ponto porcentual do aumento do IPCA em 2002. A previsão consta no relatório de inflação que acaba de ser divulgado pelo BC. No relatório anterior, divulgado no final de dezembro, o BC estimava que a contribuição dos preços administrados para a inflação era de 1,6 ponto porcentual. Primeiro trimestreO Banco Central estima que a inflação pelo IPCA acumulada em 12 meses vai fechar o primeiro trimestre desse ano em 7,5%. A confirmar esse valor, o governo brasileiro terá que dar explicações ao corpo técnico do Fundo Monetário Internacional (FMI) pelo estouro da meta de inflação para o período. Isso porque esse valor supera o teto de 6,8% da meta da chamada "banda estreita" da projeção central de inflação estabelecida no acordo com o FMI. A projeção central para a inflação acumulada em 12 meses até março, prevista no acordo, é de 5,8%, com um teto da banda estreita de 6,8% e da banda larga 7,8%. Previsão de inflação para 2003 também sobeO Banco Central (BC) elevou de 2,5% para 2,8% sua projeção para o comportamento da inflação em 2003. Apesar da elevação, a projeção ainda está abaixo da meta de inflação definida pelo governo para 2003 que é de 3,25%, com margem de variação de dois pontos porcentuais, para cima ou para baixo. De acordo com o relatório de inflação divulgado hoje, a principal causa do aumento da projeção de 2003 foi a expectativa com relação a inflação do grupo de preços administrados por contrato e monitorados. Essa também foi a justificativa para o aumento da projeção da inflação de 2002. Para os diretores do BC, a inflação dos preços administrados em 2003 será de 4,5%. No relatório de dezembro de 2001 a expectativa era de que a inflação desse grupo de preços fosse de 3,1%. Para os chamados preços livres, a projeção de inflação manteve-se praticamente estável, passando de 2,2% para 2,1%, entre o relatório de dezembro do ano passado e o divulgado há pouco. A projeção de 2,8% para a variação do IPCA em 2003 considera juros constantes de 18,5% ao ano. A projeção de 2,5%, do relatório de dezembro de 2001, considerava os juros em 19% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.