BC reforça dose e eleva juro básico em 0,75 ponto, para 13%

O Banco Central decidiunesta quarta-feira reforçar a alta do juro com uma dose de 0,75ponto percentual, colocando a taxa básica do país no maiorpatamar desde o início do ano passado. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom)elevou a Selic para 13,00 por cento ao ano. O colegiado disse, em breve comunicado, que tomou a decisão"com vistas a promover tempestivamente a convergência dainflação para a trajetória das metas". A maioria dos analistas esperava aumento de 0,50 pontopercentual, mas parte do mercado já previa uma ação maisagressiva. Dados recentes de inflação mostraram algum desaquecimento,mas continuaram em patamar considerado desconfortável pormuitos economistas. As principais pressões vieram dos custosdos alimentos. "A decisão foi incisiva para garantir a convergência maisrápida da inflação às metas. Foi também uma forma de responderà deterioração muito grande das expectativas de inflação nasúltimas semanas", comentou Flávio Serrano, economista sênior doBes Investimentos. O último relatório Focus apontou o Índice Nacional dePreços ao Consumidor Amplo (IPCA) acima do teto da meta desteano, de 6,5 por cento, pela primeira vez. As instituiçõesfinanceiras consultadas pelo próprio BC elevaram a estimativapela 17a vez e agora esperam que a inflação "oficial" feche2008 em 6,53 por cento. Para o ano que vem, a perspectiva é de 5,0 por cento. Trata-se da terceira elevação consecutiva da Selic, mas nasúltimas duas reuniões o aumento tinha sido de 0,50 pontopercentual em cada. O economista Cristiano Souza, do ABN Amro, espera nova altade 0,75 ponto percentual no próximo encontro do Copom. "É muitodifícil o BC mudar o ritmo só em uma reunião", justificou. A próxima decisão do Copom está agendada para os dias 9 e10 de setembro. (Reportagem de Ana Nicolacci da Costa; Texto de DanielaMachado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.