BC: superávit primário atinge R$ 16,185 bi em janeiro

O setor público consolidado registrou em janeiro deste ano superávit primário (economia do governo para o pagamento dos juros da dívida externa) de R$ 16,185 bilhões, de acordo com dados divulgados hoje pelo Banco Central (BC). Em janeiro do ano passado, a economia do setor público - que compreende os dados das contas fiscais do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), mais os Estados e municípios e as empresas estatais - foi de R$ 7,358 bilhões.

FABIO GRANER E FERNANDO NAKAGAWA, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2010 | 10h55

Para o resultado do mês passado, o governo central contribuiu com um superávit de R$ 13,538 bilhões; os governos regionais, com R$ 2,691 bilhões; e as empresas estatais registraram déficit primário de R$ 441 milhões, basicamente por causa do saldo negativo das estatais federais, que tiveram déficit de R$ 342 milhões. No acumulado em 12 meses encerrados em janeiro, a economia do setor público foi de R$ 73,344 bilhões, o equivalente a 2,32% do Produto Interno Bruto (PIB). Até dezembro de 2009, o superávit primário em 12 meses estava em 2,06% do PIB.

Superávit nominal

O setor público registrou em janeiro superávit nominal de R$ 2,201 bilhões. A economia após o pagamento de juros ocorreu principalmente no governo central, que teve saldo positivo de R$ 1,780 bilhão. Os governos regionais, por sua vez, tiveram superávit nominal de R$ 684 milhões. Já as empresas estatais tiveram déficit nominal de R$ 263 milhões. Em janeiro do ano passado, o setor público registrou déficit nominal de R$ 7,497 bilhões. No acumulado em 12 meses, encerrados em janeiro de 2010, o resultado nominal está negativo em R$ 94,924 bilhões, o correspondente a 3% do PIB. Até dezembro, esse saldo nominal era negativo em 3,34% do PIB.

Já o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB manteve trajetória de queda em janeiro e atingiu 41,7% no mês passado. O número representa um montante de R$ 1,317 trilhão. O porcentual da dívida líquida sobre o PIB é inferior ao observado em dezembro de 2009, quando a proporção estava em 42,9%.

Segundo o Banco Central, a queda do indicador teve a contribuição do superávit primário (R$ 16,185 bilhões em janeiro), que diminuiu a proporção da dívida em relação ao PIB em 0,5 ponto porcentual. Houve ainda contribuição da desvalorização cambial de 7,68% verificada no mês passado, que reduziu a proporção da dívida sobre o PIB em 0,8 ponto porcentual, e o efeito do crescimento do PIB, que participou com redução de 0,4 ponto porcentual. Por outro lado, houve apropriação de juros nominais (R$ 13,983 bilhões), que contribuiu com aumento de 0,4 ponto porcentual na relação dívida/PIB.

Juros

Os gastos com juros do setor público consolidado em janeiro de 2010 somaram R$ 13,983 bilhões, ante R$ 14,855 bilhões em janeiro de 2009. No mês passado, o governo central pagou R$ 11,758 bilhões em juros; os governos regionais, R$ 2,007 bilhões e as empresas estatais, R$ 218 milhões. Em 12 meses até janeiro, o gasto com juros nominais do setor público consolidado soma R$ 168,268 bilhões, o equivalente a 5,32% do PIB. Em 12 meses até dezembro de 2009, a despesa com juros representava 5,40% do PIB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.