BC vai ampliar para 44 dias período entre reuniões do Copom

O Banco Central (BC) decidiu nesta segunda-feira ampliar o espaço entre as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) a partir de 2006. Segundo informações divulgadas em nota, o intervalo entre os encontros passará dos atuais 30 para 44 dias. Com isso, o número de reuniões do próximo ano será reduzido de 12 para apenas oito. Segundo nota divulgada pelo Banco Central, a "crescente normalização e estabilidade do ambiente econômico do País" reduz a necessidade de que decisões quanto à taxa básica de juros sejam tomadas com maior freqüência.O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, considerou a justificativa do BC adequada. Segundo ele, na medida em que se espera que a economia esteja mais estável, menos sujeita à volatilidade, essa necessidade de decidir sobre a taxa de juros todo mês diminui. Loyola também disse que no novo modelo de reuniões mais espaçadas o BC poderá usar o "viés" mais vezes.O "viés" é uma forma que o Copom dispõe de indicar uma tendência para a taxa de juros. Ele pode ser de alta, de baixa ou neutra, e permite que a taxa seja modificada na direção do "viés" sem que se realize uma reunião do Copom. O economista também vê na decisão do BC uma forma de diminuir a chamada tensão pré-Copom, que acontece sempre próximo ás reuniões e que, na sua avaliação, atrapalha a gestão do BC.O economista do Banco Arx, Sérgio Goldenstein, também elogiou a decisão do BC. "A atualização de dados sobre a economia em reuniões mensais nem sempre acontece", disse. Isto, na opinião do economista e ex-chefe da mesa de títulos do BC, cria dificuldades para a tomada de decisão final. "Com mais tempo, haverá mais informação e as decisões serão tomadas com mais segurança", disse. O economista do Banco Arx lembrou que o Federal Reserve (BC dos Estados Unidos) já faz apenas 8 reuniões por ano para decidir sobre juros. "Isto é normal", comentou.Com a nova regra, o Copom deixará de ter reuniões em fevereiro, junho, setembro e dezembro do próximo ano. Para os dois últimos meses deste ano, o calendário não foi alterado e as reuniões serão realizadas nos dias 22 e 23 deste mês e em 13 e 14 de dezembro. Apesar da mudança, o Copom continuará tendo a possibilidade de fazer reuniões extraordinárias entre um encontro e outro. O BC informou que a ampliação na periodicidade das reuniões do Copom não irá alterar a divulgação das atas, que acontecem sempre 6 dias úteis após a cada reunião e dos relatórios trimestrais de inflação.As reuniões do Copom, desde a sua criação em junho de 1996, sempre foram mensais. Inicialmente, era realizada em apenas um dia mas a partir de 2000 passou a ser realizada em duas etapas. Desde junho de 1999, o Comitê é responsável por garantir o cumprimento das metas da inflação fixadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.