BCE: bancos europeus terão perdas com empréstimos

Os bancos da zona do euro (que reúne os 16 países que adotam o euro como moeda) sofrerão perdas "consideráveis" com empréstimos neste ano e no próximo. Isso deve provocar baixas contábeis de 195 bilhões de euros e pesar sobre a lucratividade das instituições, segundo informou hoje o Banco Central Europeu (BCE).

GUSTAVO NICOLETTA, Agencia Estado

31 de maio de 2010 | 15h02

A perspectiva de baixas contábeis no valor dos empréstimos, aliada à "contínua pressão dos mercados e das autoridades de supervisão para que os bancos mantenham um controle rigoroso da alavancagem, sugere que a lucratividade do setor bancário deve continuar moderada no médio prazo", avaliou o BCE, em seu relatório semestral sobre a estabilidade financeira.

Segundo as estimativas, os bancos da zona do euro podem sofrer baixas contábeis líquidas de 90 bilhões de euros com empréstimos e títulos em 2010 e de 105 bilhões de euros em 2011.

"Estamos passando no momento por uma segunda onda de baixas contábeis relacionada ao desempenho dos empréstimos", disse o vice-presidente do BCE, Lucas Papademos, durante entrevista. "Isso não é inesperado. As baixas contábeis com empréstimos vão diminuir, mas continuarão, refletindo simplesmente o desempenho geral da economia."

O BCE alertou ainda que as perdas com empréstimos em 2011 podem exceder as estimativas atuais. "Os riscos soberanos elevados e uma possível segunda rodada de efeitos decorrentes da consolidação fiscal necessária na maior parte dos países da zona do euro podem trazer riscos ao crescimento econômico", avaliou o banco central, acrescentando que, se houver uma concretização desse cenário, "as provisões contra perdas com empréstimos serão maiores".

O BCE reduziu a estimativa de baixas contábeis com empréstimos e títulos entre 2007 e 2010 para 515 bilhões de euros, de 553 bilhões de euros anteriormente. "A resiliência geral do setor financeiro cresceu, levando em consideração que as reservas de capital foram fortalecidas. Mas, ao mesmo tempo, estamos conscientes dos desafios à frente, em particular no que diz respeito às finanças públicas", disse Papademos, que deixará a vice-presidência do BCE hoje. Vitor Constâncio, de Portugal, assumirá o posto na terça-feira.

Os maiores bancos da zona do euro terão de prolongar ou rolar cerca de metade de suas dívidas de longo prazo até o fim de 2012. "Com diversos governos do bloco sofrendo pesadas necessidades de financiamento nos próximos anos, isso eleva o risco de as emissões de bônus bancários serem preteridas", alertou o BCE.

O déficit orçamentário agregado da zona do euro neste ano deve ser equivalente a 6,6% do Produto Interno Bruto (PIB). As regras do bloco exigem que essa taxa seja de, no máximo, 3%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bancosEuropaperdasempréstimosBCE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.