finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BCE deve cortar taxa de depósitos, diz OCDE

Uma atitude do Banco Central Europeu (BCE) é especialmente necessária, afirmou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em seu relatório sobre perspectivas econômicas. A entidade destacou que a atividade econômica na zona do euro ainda está em queda, diante da continuação da consolidação fiscal, e o desemprego deverá seguir em alta, atingindo 12,3% no fim de 2014.

AE, Agencia Estado

29 de maio de 2013 | 07h56

A OCDE recomendou que o BCE tome a atitude firme de cortar a taxa de juros de depósitos abaixo de zero, efetivamente cobrando uma tarifa dos bancos para que eles tenham a opção segura de guardar reservas no banco central. Além disso, a OCDE disse que o BCE pode comprar ativos, incluindo bônus corporativos ou soberanos, usando dinheiro impresso para isso, no que seria uma adoção atrasada do instrumento de relaxamento quantitativo já usado pelo Federal Reserve, o Banco do Japão e o Banco da Inglaterra.

A zona do euro também precisa prosseguir com a união bancária, pois o impacto de canais financeiros rompidos foi uma das principais razões para o corte nas previsões de crescimento econômico da OCDE. A entidade piorou a projeção para a contração econômica da zona do euro neste ano de 0,1% para 0,6%.

Embora tenha colocado ênfase na política monetária, a entidade disse que os governos, particularmente os EUA, podem aperfeiçoar a consolidação fiscal em vez de reduzir os gastos amplamente. Isso seria mais favorável ao crescimento ao mesmo tempo que evitaria cortes nos investimentos e colocaria mais foco na redução de subsídios. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
MUNDOOCDEBCE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.