BCE iniciará afrouxamento quantitativo, diz Trichet

O Banco Central Europeu (BCE) informou hoje que aumentará seu afrouxamento monetário por meio da ampliação dos vencimentos nas operações de recompra com bancos e iniciará a compra de "covered bonds" denominados em euro. Segundo o presidente da autoridade monetária, Jean-Claude Trichet, as modalidades detalhadas da compra desses bônus serão anunciadas depois do encontro do conselho diretor do BCE em junho.

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 11h04

Covered bonds são bônus assegurados por um grupo de empréstimos hipotecários ou dívida do setor público, com nota de risco de crédito (rating) elevada e que permanecem no balanço do credor.

Segundo Trichet, as compras serão realizadas pelo Eurosystem, que reúne o BCE e os bancos centrais dos países dos 16 países europeus da zona do euro. O conselho diretor decidiu ainda que o Banco Europeu de Investimentos será contraparte elegível nas operações de política monetária do Eurosystem, a partir de julho, sob as mesmas condições de qualquer contraparte.

Hoje, o BCE anunciou a redução de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juros da zona do euro (16 países europeus que compartilham a moeda) para 1% ao ano. Segundo o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, a taxa está "apropriada" em seu novo nível.

Trichet afirmou que o conselho diretor do BCE decidiu prosseguir com estratégias "de suporte ao crédito intensificadas" elaboradas no último ano e, em particular, permitir que bancos comerciais tomem recursos emprestados do BCE por até 12 meses.

Estabilização

Trichet disse também que dados e pesquisas econômicas recentes sugerem "sinais iniciais de estabilização em nível muito baixo, depois de um primeiro trimestre significativamente mais fraco que o esperado". Ele espera uma recuperação gradual da economia em 2010.

De acordo com o presidente do BCE, as decisões tomadas hoje pelo conselho diretor da autoridade monetária da zona do euro levam em conta a expectativa de que os preços continuarão sendo derrubados pela queda substancial passada nos preços de matérias-primas (commodities) e pelo enfraquecimento na atividade econômica em todo o mundo.

"A economia mundial, incluindo a zona do euro, ainda passa por uma desaceleração severa, com a perspectiva de a demanda externa e a doméstica continuarem muito fracas em 2009, antes de se recuperarem gradualmente ao longo de 2010", afirmou Trichet.

Segundo o presidente do BCE, a avaliação inclui desdobramentos adversos que devem se materializar nos próximos meses, tais como mais deterioração dos mercados de trabalho. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BCEjurosTrichet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.