BCE mantém taxa básica de juros em 0,25%

Em entrevista coletiva, Mario Draghi, presidente da autoridade monetária da área do euro, disse que os juros básicos do bloco ficarão inalterados por um período prolongado

Agência Estado, Atualizado às 12h30

06 de fevereiro de 2014 | 11h40

FRANKFURT - O Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas básicas de juros inalteradas nesta quinta-feira, 6. A autoridade monetária da área do euro contraria as expectativas de parte do mercado, que previa um corte nos juros, em razão da fraqueza da inflação e da recuperação econômica da zona do euro.

A taxa de juros de refinanciamento foi mantida em 0,25%, a taxa de juros de depósitos permaneceu em 0,0% e a taxa de empréstimos marginal continuou em 0,75%.

O presidente do BCE, Mario Draghi, em entrevista coletiva, disse que o Conselho da instituição "reiterou firmemente" sua diretriz futura e que as taxas de juros continuarão nos níveis atuais ou menores por um período prolongado. De acordo com ele, a autoridade monetária está "fortemente comprometido" em manter a política acomodatícia e prometeu tomar "ação decisiva" se for necessário.

"Estamos em um período prolongado de inflação baixa", afirmou Draghi, dizendo que espera uma alta gradual da inflação. "Em relação à recente volatilidade no mercado monetário e seu potencial impacto em nossa política, estamos monitorando os acontecimento de perto e prontos para considerar todos os instrumentos disponíveis."

Draghi avaliou que ainda há riscos à perspectiva econômica da zona do euro e que o desemprego continua alto. "Deve haver alguma melhora na demanda doméstica, apoiada pela política monetária acomodatícia", disse.

Segundo ele, a turbulência e incerteza do mercado global, principalmente nas economias emergentes, pode ter o potencial de afetar negativamente as condições econômicas. "Outros riscos incluem demanda doméstica mais fraca que a esperada, crescimento baixo das exportações ou implementação insuficiente de reformas estruturais nos países da zona do euro", completou.

O dirigente reiterou que as pressões de preço no bloco continuam contidas no médio prazo e que as expectativas de inflação estão firmemente ancoradas. "A análise econômica confirma nossa expectativa de um período prolongado de inflação baixa, que será seguido por um movimento gradual para próximo da meta de 2%", afirmou Draghi.

(Com informações da Market News International)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.