BCE manterá política monetária frouxa 'por longo período', diz Draghi

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BCE manterá política monetária frouxa 'por longo período', diz Draghi

O objetivo é elevar a inflação da zona do euro para níveis mais próximos a 2%

REUTERS

24 de setembro de 2014 | 08h45

O Banco Central Europeu (BCE) manterá a política monetária expansionista pelo tempo necessário para levar a inflação baixa demais na zona do euro novamente para mais perto do nível de 2 por cento, afirmou nesta quarta-feira o presidente do BCE, Mario Draghi.

Com dados mostrando que a economia da zona de moeda única estagnou no segundo trimestre, Draghi disse a uma rádio francesa que o BCE fará tudo ao seu alcance para estimular o crescimento, mas reafirmou que os países da zona do euro precisam melhorar suas economias.

"A política monetária continuará expansionista por um longo tempo e posso dizer a vocês que o Conselho (do BCE) é unânime em se comprometer com o uso das ferramentas à sua disposição para levar a inflação de volta a pouco abaixo de 2 por cento", disse Draghi, através de um intérprete, à rádio Europe 1.

Em referência a sinais de crescimento em outros países na economia mundial, Draghi disse que a política do BCE continuará expansionista mesmo "enquanto a política monetária de outros países pode reconhecer gradualmente que uma recuperação está acontecendo".

Draghi tem sinalizado nos últimos dias que o BCE está pronto para usar ferramentas não convencionais adicionais para incentivar a inflação e o crescimento. Ele não deu informações sobre quais seriam estas, mas observou: "As taxas de juros continuarão baixas porque não podem ir muito mais para baixo".

Sobre os esforços de países como a França para avançar com medidas para tornar suas economias mais competitivas, Draghi disse: "O risco de se fazer muito pouco é maior do que o de fazer demais. Estas reformas têm sido planejadas há anos --agora têm que ser implementadas".

A inflação ao consumidor nos 18 países que usam o euro avançou 0,1 por cento na comparação mensal em agosto, chegando a 0,4 por cento na base anual, informou na semana passada a agência de estatísticas da UE, Eurostat.

Draghi acrescentou que não vê período de deflação na zona do euro, dizendo que o maior perigo vem do desemprego.

(Reportagem de Mark John)

Tudo o que sabemos sobre:
MACRODRAGHIPOLITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.