BCE nega que vá lançar plano de estímulos

O Banco Central Europeu (BCE) negou ontem reportagem de um jornal alemão, afirmando que o BCE estaria considerando lançar um novo programa de compra de títulos com o qual compraria dívida de todos os 17 países da zona do euro.

FRANKFURT, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2013 | 02h19

O jornal Sueddeutsche Zeitung disse que havia discussões em um grupo de trabalho no BCE sobre comprar títulos de todos os governos da zona do euro de acordo com a participação desses países no Produto Interno Bruto do bloco monetário.

Isso acrescentaria um novo elemento ao programa de estímulo do BCE semelhante ao "quantitative easing" (compra de títulos) adotado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), disse o jornal.

"O artigo está errado", disse um porta-voz do BCE.

O presidente do BCE, Mario Draghi, disse em abril que o banco estava avaliando opções "com base em uma perspectiva de 360 graus".

Mas o membro do Conselho Executivo do BCE Joerg Asmussen disse que isso se referia a formas de reanimar os empréstimos para a economia real. "O pensamento do BCE em uma perspectiva de 360 graus relaciona-se à questão de apoiar, dentro de nosso mandato, a oferta de crédito à economia real", disse Asmussen. "Histórias que dizem outras coisas não estão corretas."

Juros. O BCE terá uma reunião de política monetária na próxima quinta-feira, quando é esperado que mantenha sua taxa de juros na mínima recorde de 0,5%. Draghi, e outras autoridades do BCE, disseram nesta semana que o fim das medidas excepcionais de política monetária continua "distante". Esses comentários vão na contramão daqueles feitos na semana passada pelo presidente do Fed, Ben Bernanke, que disse que a economia americana está se expandindo com força suficiente para o banco central começar a diminuir o ritmo de compra de títulos ainda este ano. O Fed compra US$ 80 bilhões em títulos por mês. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.