BCE: recuperação econômica exige coordenação global

Uma recuperação econômica mundial exige coordenação global de regulamentações financeiras e de políticas de crescimento, afirmou o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet. Segundo Trichet, a economia global está melhorando, mas permanece vulnerável porque ainda não é autossustentável por meio de demanda privada e, em vez disso, continua dependente de suporte dos governos.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

26 de abril de 2010 | 14h51

"Não é o momento para complacência", disse Trichet em um discurso no Conselho de Relações Externas sobre governança global. À medida que a recuperação global ganha energia, as economias emergentes se tornaram "uma fonte de força para a economia mundial", afirmou Trichet. "Por isso não surpreende que a crise tenha levado a um reconhecimento mais claro da crescente importância delas e da sua completa integração nas instituições de governança global", acrescentou.

Para Trichet, o G-20 é um fórum representativo, que pode solucionar as necessidades das economias estabelecidas e das emergentes. Trichet também afirmou que os países industrializados foram "particularmente desajeitados" no modo como tratavam as finanças globais antes da crise. Com o advento da crise, bancos centrais individuais e organismos globais responderam com um esforço coordenado que injetou dinheiro nas economias. No entanto, como as democracias provavelmente não suportam mais pacotes de socorro, é necessário solidificar a regulamentação e a supervisão financeira para garantir que o sistema não tenha problemas novamente, segundo Trichet.

"A crise enfraqueceu os argumentos daqueles que pensam que uma desregulamentação é sempre condutora de mercados com melhor funcionamento", disse Trichet. "Nós aprendemos mais uma vez que os mercados não podem funcionar adequadamente sem uma infraestrutura regulatória e supervisora eficiente", completou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criserecuperaçãoTrichet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.