Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

BCE ressalta riscos para crescimento mas mantém juro

O Banco Central Europeu deixou a taxade juro inalterada nesta quinta-feira e os mercadosvisualizaram espaço para futuros cortes ainda neste ano àmedida que o presidente Jean-Claude Trichet ressaltou os riscosde uma desaceleração econômica ao lado das pressõesinflacionárias. O crescimento da zona do euro pode ficar abaixo de seupotencial em 2008 em um ambiente de incertezas econômicas,disse Trichet após retirar uma ameaça de agir preventivamentecontra o aumento dos preços.Diferentemente das duas últimas reuniões, os formuladores depolítica não discutiram um aumento nas taxas de juros e, emboraum corte também não tenha sido considerado, mercados eanalistas viram o BCE abrir a porta para uma redução da taxabásica de juro dos atuais 4 por cento em meados do ano. Recentes indicadores econômicos sinalizaram umadesaceleração do crescimento na Espanha, Itália e Portugal,assim como problemas no setor de serviço e queda na confiançado consumidor. "Se eu pegar todos os dados, eles confirmam o pessimismo",disse Trichet em uma entrevista coletiva. "À medida que a reavaliação do risco nos mercadosfinanceiros continua, permanece uma elevada e pouco usualincerteza sobre seu impacto geral sobre a economia real." Perguntado se o BCE mantém sua visão de crescimento paraperto de 2 por cento, Trichet afirmou que a equipe de previsõesdo BCE fará uma nova previsão no próximo mês e disse que ocrescimento pode estar abaixo dos 2 por cento estimados como opotencial da região. Economistas disseram que esta visão mais pessimista mostrouque o BCE pode seguir as ações do Federal Reserve e do Banco daInglaterra e cortar a taxa de juro ainda neste ano. "Ele está colocando um pouco de ênfase nos riscos daeconomia, e especialmente nas incertezas que ainda prevalecem",disse Elwin de Groot, economista do Rabobank. "Isso dá ao conselho diretor mais espaço para cortes nosjuros se eles acharem necessário no período à frente." No entanto, a visão de Trichet sobre o crescimento nãodiminuiu de fato as preocupações do BCE com a inflação. Apesar de Trichet ter descartado a posição de que o BCEestava pronto para tomar uma ação preventiva para conter umaespiral sálarios-preços, ele ainda disse que é imperativo parao BCE manter a inflação sob controle. "Nós iremos fazer o que for necessário", disse ele. "Asatuais pressões de curto prazo não podem se tornar de médioprazo."

LAURA MACINNIS, REUTERS

07 de fevereiro de 2008 | 16h34

Tudo o que sabemos sobre:
MACROBCETRICHET

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.