BCE: riscos de alta da inflação no médio prazo persistem

A estabilidade de preços na zona do euro (13 países europeus que compartilham a moeda) enfrenta riscos de alta no médio prazo, enquanto os fundamentos econômicos continuam sólidos, reiterou o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet.O presidente do BCE desconsiderou os pedidos para o banco cortar os juros para aliviar a crise de crédito atual, notando que os riscos para a inflação ainda estão presentes. "Nós temos nosso trabalho, que é proporcionar estabilidade dos preços. É isso que o povo europeu está pedindo", disse Trichet. Em discurso para a comissão de assuntos econômicos e monetários do Parlamento Europeu, Trichet também reforçou a mensagem do BCE de que os efeitos secundários, a transferência dos preços elevados de petróleo e alimentos para os salários e os preços aos consumidores, não serão tolerados.Trichet declarou que a diretoria do BCE está pronta para conter os riscos inflacionários e assegurar que os efeitos secundários não se materializem. Ele afirmou que os ricos para a inflação incluem preços maiores para petróleo e produtos agrícolas, aumentos nos preços administrados e impostos indiretos, restrições na capacidade e forte crescimento dos salário à luz dos desdobramentos positivos no mercado de trabalho.O presidente do BCE afirmou que as operações do banco no mercado aberto visam reduzir as taxas de curto prazo para a área de 4% da taxa básica de juros e diminuir as tensões nos mercados a termo. Trichet disse que o BCE aceitou no leilão de refinanciamento regular de segunda-feira (dia 17) todas as ofertas de 4,21% porque esta foi a taxa média da operação anterior.No entanto, Trichet destacou que o BCE não pode lidar com a fonte da tensão no mercado financeiro, mas apenas tentar assegurar o bom funcionamento do mercado aberto. Além disso, ele ressaltou que a política monetária do BCE e as operações no mercado aberto são distintas uma da outra. "Eu não diria que os bancos centrais são responsáveis pelo que estamos observando", disse em referência à turbulência nos mercados. "Nós fizemos o que era necessário fazer". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.