coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

BCs da Europa Oriental defendem suas moedas em nota

Os bancos centrais da Polônia, Hungria, Romênia e República Checa divulgaram hoje comunicados coordenados num esforço para sustentar suas moedas, que têm sido prejudicadas pela crise econômica que se abate sobre a região. Todos eles argumentam que a onda de vendas de suas moedas não tem justificativa em fundamentos. "Do ponto de vista do Banco Nacional da Polônia, a situação macroeconômica do país não justifica essa magnitude de enfraquecimento da moeda", disse o presidente da autoridade monetária, Slawomir Skzypek. O BC da Hungria divulgou comunicado semelhante, afirmando que está preparado para evitar oscilações fortes da taxa de câmbio do Forint. O banco também optou nesta segunda-feira por manter a taxa de juros em 9,5%. A depreciação cambial e a queda das ações da região ganharam força na semana passada, após a Moody''s afirmar que as condições econômicas desfavoráveis na Europa Oriental vão afetar as subsidiárias locais de grandes bancos da Europa Ocidental. Em Praga, o vice-presidente do BC checo, Mojmir Hampl, afirmou que avaliações generalistas são injustamente desastrosas. "A região é extremamente heterogênea e não faz sentido colocar todos os países no mesmo saco", afirmou. As informações são da Associated Press.

MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

23 de fevereiro de 2009 | 15h34

Tudo o que sabemos sobre:
Europa OrientalCâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.