BCs injetam recursos para socorrer bancos

Ações seguem as notícias da aquisição do Bear Stearns e da redução da taxa de redesconto realizada pelo Fed

Agência Estado,

17 de março de 2008 | 09h01

Os bancos centrais do Japão e da Austrália correram para injetar recursos nesta segunda-feira, 17, e evitar o colapso de outros bancos em decorrência da crise nos EUA. O Banco Central da Inglaterra também anunciou que realizará operação semelhante nesta segunda. As decisões dos BCs foram tomadas após a aquisição do Bear Stearns, quinto maior banco de investimento dos EUA, pelo JP Morgan (por apenas US$ 2 por ação) e da redução realizada pelo Federal Reserve (banco central americano) na taxa de redesconto, em 0,25 ponto porcentual, para 3,25% ao ano.   Veja também:   Risco a bancos nos EUA derruba mercados mundiais JPMorgan compra o Bear Stearns por US$ 236 milhões  Entenda a crise nos Estados Unidos   O sobe e desce do dólar  Veja os efeitos da desvalorização do dólar JPMorgan e Fed intervêm para socorrer seguradora dos EUA       As duas instituições financeiras trabalharam contra o relógio para fechar o acordo de compra e venda no domingo, já que queriam tê-lo pronto antes da abertura nesta segunda-feira das bolsas de valores na Ásia e evitar portanto que as turbulências financeiras do Bear arrastassem outros bancos. A realização do acordo e a redução da taxa de redesconto pelo Fed, no entanto, não conseguiram acalmar os mercados e o pânico se espalhou entre os investidores. Na Ásia, as bolsas fecharam em queda e a Europa vê os preços das ações desabarem nesta segunda.   Para tentar acalmar os investidores, o Banco do Japão injetou 400 bilhões de ienes no mercado interbancário de curto prazo depois que a taxa overnight subiu para 0,52%, acima da taxa básica de 0,50% da autoridade monetária. A ação fez com que a taxa caísse para cerca de 0,505%. O banco central da Austrália também conseguiu conter os juros ao injetar líquidos A$ 383 milhões.   O BC inglês também informou nesta segunda que irá oferecer 5 bilhões de libras esterlinas (US$ 10,04 bilhões) - equivalente a 25% da meta de recursos. Este montante extra será introduzido no mercado interbancário por meio de operação de recompra de títulos para três dias, ou seja, até o dia do leilão regular de recompra do BC inglês.   "Esta ação está sendo tomada em resposta às condições dos mercados de crédito de curto prazo nesta manhã", disse o BC inglês em nota divulgada em seu website. "O banco irá tomar atitudes para garantir que a taxa de juro overnight fique próxima à taxa do banco".   O spread da taxa interbancária em libras overnight disparou, valendo 5,30% na compra e 5,50% na venda, segundo o ING. "Junto com os demais bancos centrais, o Banco da Inglaterra está monitorando de perto as condições do mercado", acrescentou o BOE. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
elevação jurosbancos centrais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.