coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Bear Stearns forma aliança com corretora chinesa Citic

O Bear Stearns, banconorte-americano de investimento que foi atingido pela crise nashipotecas de alto risco dos Estados Unidos, e a maior corretorada China e da Ásia em valor de mercado, a estatal Citic,acertaram nesta segunda-feira um acordo para trocarparticipações entre si e formar uma aliança ampla. O acordo fortalecerá o acesso do Bear ao crescente mercadochinês em um momento em que a instituição norte-americana estáem desvantagem em relação a rivais maiores de Wall Street naexpansão de negócios além dos EUA. Segundo o acordo inicial, o Citic investirá 1 bilhão dedólares em títulos do Bear Stearns que serão convertidos emcerca de 6 por cento de participação no banco de investimentonorte-americano. Enquanto isso, o Bear Stearns comprará 1 bilhão de dólaresem dívida da Citic que representará ao longo do tempo umaparticipação de 2 por cento na instituição estatal chinesa.Nenhuma das instituições poderá ter mais de 9,9 por cento dasações de cada uma. "Estamos confiantes que a combinação de nossas operações naÁsia com a Citic Securities vai beneficiar a base de clientesdo Bear Stearns e gerar novas oportunidades substanciais dereceita e de crescimento para a empresa", afirmou opresidente-executivo do Bear Stearns, James Cayne, emcomunicado. Em uma entrevista à Reuters, por telefone, Cayne, reiterouque o banco não precisa de uma injeção de capital. "Nós estamosem uma posição muito boa", disse Cayne. O acordo precisa da aprovação do Conselho de Estado daChina e de autoridades regulatórias e acionistas. "É uma boa oportunidade para a Citic se expandir para oexterior e aprender com nomes globais", disse Qiu Zhicheng,analista da Haitong Securities. Fortalecida por uma forte expansão no mercado de açõeschinesas, a Citic tem valor de mercado de 46,8 bilhões dedólares, maior que o valor do Lehman Brothers Holdings e doBear Stearns combinados. As ações da Citic se valorizaram 600por cento ao longo do ano passado. Em comparação, o Bear Stearns viu o valor de ações cair 28por cento este ano, ficando com um valor de mercado de 13,4bilhões de dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.