Bear Stearns muda previsão para a eleição brasileira

A analista para Brasil do banco Bear Stearns, Emy Shayo, mudou sua projeção para as eleições presidenciais. "Até ontem acreditávamos que José Serra tinha 70% de chances de vencer as eleições. Agora, qualquer um dos três principais candidatos (Lula, Ciro ou Serra) poderá ir ao segundo turno e se tornar o próximo presidente", afirmou Shayo, em relatório distribuído a clientes. A mudança na sua projeção para as eleições é um reflexo do "efeito duradouro" do crescimento de Ciro nas últimas pesquisas eleitorais. Segundo Shayo, quando Ciro apresentou forte subida nas pesquisas há um mês, creditou-se o fato ao maior tempo de televisão que o candidato do PPS teve. "No entanto, esse crescimento e fôlego da candidatura de Ciro já dura quatro semanas. Portanto, devemos considerar que Ciro é um sério concorrente para um lugar no segundo turno", explicou a analista do Bear Stearns. Para ela, o que está alimentando o crescimento de Ciro Gomes nas pesquisas é o fato de que 70% dos eleitores querem uma mudança em relação ao atual governo. "Isso está a favor de Ciro, pois Lula é o candidato da esquerda, mas não necessariamente o candidato da oposição", acrescentou Shayo. Na opinião dela, vai depender apenas de Ciro Gomes, e de sua equipe de campanha, conseguir manter o segundo lugar nas pesquisas. "Dado que Ciro é o elemento surpresa da corrida presidencial, acredito que ele se torne o principal alvo dos ataques de Lula, Serra e da mídia", disse. Embora Lula e Serra desejassem que a campanha fosse polarizada, Shayo acredita que a polarização não existirá com Ciro Gomes na disputa, o que tornará o resultado das eleições algo impossível de se prever. Shayo estima que, se Ciro conseguir manter o atual nível de intenções de voto nas pesquisas até 20 de agosto, ele terá "chances reais de ir para o segundo turno contra Lula". Shayo disse que o problema com a candidatura de José Serra são dois: a falta de carisma dele e a falta de foco da campanha. "A falta de carisma de Serra já é conhecida, porém o temor é que seus marqueteiros estejam tornando-o menos carismático ainda", disse. "Além disso, a sua candidata a vice, Rita Camata, embora carismática, não é vista em lugar nenhum", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.