Belgas e alemãs fazem a festa nos bares

Importação de cervejas dobra e desperta cobiça da gigante AmBev

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

Os números de importação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior confirmam o que o espaço aberto em gôndolas nas redes varejistas, além da maior oferta em botecos e restaurantes descolados, já vinha indicando: cresce o consumo de cervejas importadas no Brasil. Nos últimos cinco anos, os gastos com importação mais que dobraram. Pularam de U$$ 1,763 milhão para US$ 3,744 milhões.A descoberta de outros sabores além da consagrada "pilsen leve", que domina o mercado de quase 10 bilhões de litros bebidos por ano no País, começa a crescer. A participação das chamadas cervejas especiais, categoria que abriga as importadas, é de cerca de 7% desse total. Mas traça trajetória ascendente. E rápida, avaliam analistas do setor. Nem mesmo os preços, entre R$ 6,00 e R$ 40,00, são impedimento. Embora principiantes nesse cenário de farta oferta de rótulos, os consumidores brasileiros já demonstram sofisticação no apetite. As cervejas alemãs e belgas, consideradas as melhores em sabor e qualidade, lideram a preferência de quem migrou para as importadas nos últimos dois anos, em detrimento das mexicanas. Há cinco anos, era o contrário, por conta da onda das embalagens long neck atreladas a um pedaço de limão na borda, consumida à farta pelos jovens. A melhora do apetite nacional, em especial do consumidor de maior poder aquisitivo e mais velho, desperta a cobiça entre os envolvidos com o negócio da cerveja. A importação, até o ano passado dominada por pequenas empresas, ganha agora a concorrência da gigante AmBev, dona de quase 70% do mercado convencional. E sua chegada causa desconforto. Suas práticas, tidas como pouco ortodoxas, são o que mais assusta os concorrentes."A entrada deles vai ampliar o mercado, indiscutivelmente, mas é uma ameaça por conta do poder econômico que eles impõem nas negociações com os varejistas", diz Marcelo Stein, diretor da Bier & Wein Importadora. Há dez anos sua empresa começou a trazer cervejas da Alemanha, entre as quais duas marcas que conquistaram o paladar mais refinado por aqui: a Franziskaner, cerveja de trigo de alta fermentação, e a Löwembräu,tipo larger e baixa fermentação, mais próxima da pilsens mais conhecidas por aqui.Porém, as duas cervejas pertencem ao portfólio da InBev, a multinacional belga dona da AmBev. E, desde o ano passado, quando a filial brasileira criou uma Central de Importação, passaram a ser importadas pela própria AmBev. "Fomos comunicados, por e-mail, em fevereiro, que não representaríamos mais essas marcas a partir de abril", conta Stein. "O pior, entretanto, é que ficamos impedidos de vender outros rótulos de nosso portfólio nas chamadas ?casas AmBev?, àquelas que, por contrato, ficam obrigadas a trabalhar somente com a linha de produtos deles."A Bier & Wein ficou com a vantagem de comercializar a Erdinger, líder de vendas do mercado, segundo Alexandre Carlos de Campos, dono da distribuidora Imigrantes Bebidas, uma empresa que, há quatro anos, vendia cinco marcas de cerveja em meio a uma carteira com mais de 3 mil produtos. Hoje orgulha-se de oferecer 45 rótulos para pronta entrega. "A cerveja Erdinger, com graduação alcoólica de 5,3%, é feita a partir de trigo e cevada, diferentemente das variações de pilsens, que utilizam apenas malte, mas, mesmo assim, caiu no gosto do brasileiro e já soma metade das vendas", diz Campos. "A segunda mais procurada é Paulaner e suas variações, entre elas a surgida em 1643 entre os monges alemães. Outro sucesso é a uruguaia Norteña."Essa última vinha para o Brasil por mãos da importadora Multicarnes, que também perdeu a operação para a AmBev. Como dona da marca no Uruguai, a companhia passou a distribuí-la no Brasil. Em breve, ampliará seu portfólio trazendo uma leva de cervejas belgas do portfólio da InBev. A maior preocupação com a entrada dos grandes no jogo, para o atacadista Xavier Depuydt, belga radicado no Rio de Janeiro, é a perda da qualidade do que se traz de fora. "Há muita cerveja sem procedência, que não vale o investimento", diz ele."Importar quantidade seria deseducar um público que começa a degustar os bons produtos." Depuydt vende 150 marcas belgas, entre elas preciosidades como a Duval, que tem alta fermentação, teor alcoólico de 8,5% e sabor frutado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.