Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bendine defende ingresso do BB nas bolsas norte-americanas

Segundo o presidente do banco, plano para listagem dos ADRs é antigo e foi formulado antes da taxação do IOF

Daniela Milanese, da Agência Estado,

04 de novembro de 2009 | 15h37

O presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, defendeu a listagem de ADRs (recibos de ações negociadas em bolsas americanas) nível 1 da instituição em Nova York, que foi criticada recentemente pelo presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto. Segundo Bendine, o plano para listagem dos ADRs é antigo e foi formulado antes da taxação de 2% sobre o capital externo no mercado de ações brasileiros.

 

Edemir reclamou da estratégia do Banco do Brasil neste momento que o mercado de ações interno está sendo afetado por nova taxação. "Os ADRs são um desejo de muito tempo do Banco do Brasil", disse o executivo Para ele, o lançamento, inclusive, favorece a BM&FBovespa porque acaba se refletindo no movimento financeiro da Bolsa.

 

O presidente do BB também lembrou que o governo federal autorizou recentemente o aumento da participação de investidores estrangeiros no capital do BB de 12,5% para 20%. "Nada mais justo do que ofertar as ações do banco para outros mercados". Bendine está em Londres, onde participa em instantes da inauguração do escritório do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Tudo o que sabemos sobre:
Banco do BrasilAldemir BendineADRsEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.