Beneficiada por corte de IPI, GM pode demitir 1,5 mil

Corte dos trabalhadores viria do fim da linha de montagem na fábrica do Vale do Paraíba dos modelos Corsa, Classic e Meriva

Cleide Silva e Gerson Monteiro, especial para o Estado,

25 de julho de 2012 | 03h10

A General Motors pode anunciar hoje ou até o fim do mês o fechamento da linha de montagem dos modelos Corsa, Classic e Meriva na fábrica de São José dos Campos, no Vale do Paraíba, e a possível demissão de 1,5 mil trabalhadores. A decisão deve ocorrer num momento em que a indústria automobilística é beneficiada por incentivos fiscais, concedidos pelo governo federal para ajudar o setor a recuperar vendas e manter o nível de emprego.

 

Ontem, a empresa decidiu fechar toda a fábrica e manter em licença remunerada os 7,5 mil empregados, ação vista pelo Sindicato dos Metalúrgicos como locaute. Foram colocadas barreiras impedindo a passagem. A GM informou que a medida foi para "proteger a integridade física dos colaboradores" enquanto negocia com os representantes sindicais a viabilidade de uma das fábricas do complexo, que tem ao todo oito unidades.

 

Hoje haverá reunião entre a GM, o sindicato, a Prefeitura e o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, Manoel Messias Nascimento Melo, na tentativa de se encontrar uma solução para a unidade, que produz modelos defasados.

 

O Ministério da Fazenda, que aprovou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor no fim de maio, não quis comentar o tema.

Uma das razões da dispensa de ontem seria o receio de uma ocupação da fábrica, a exemplo do que ocorreu em 1985. O Sindicato dos Metalúrgicos negou a informação. "Em nenhum momento pensamos nisso", disse o dirigente Luiz Carlos Prates.

 

"O setor não vive crise, há uma expectativa de venda maior que no ano passado", ressaltou Antonio Ferreira de Barros, presidente do sindicato, que é ligado à central Conlutas. "É inaceitável que a empresa receba dinheiro do governo federal e demita."

 

A expectativa de Barros é que a fábrica permaneça fechada até segunda-feira. "A empresa deixa de faturar R$ 30 milhões por dia com a produção parada", informou o sindicalista. No encontro de hoje, ele vai propor a transferência de toda a produção do Classic (feito também nas fábricas de São Caetano do Sul e na Argentina) para São José, medida que não demandaria investimento nem demissões.

 

Silêncio. O clima ao redor da fábrica era tenso ontem. Poucos funcionários quiseram dar declarações, ainda assim sem revelar nomes. "Estamos todos amedrontados com a possibilidade de demissão, tenho dez anos de GM", disse um funcionário.

 

"Vivemos os últimos dias na ansiedade e agonia, é muita pressão da chefia dizendo que vai fechar", comentou outro do setor de pintura. Metalúrgicos roendo unhas, expressões de aflição e nervosismo foi o cenário da assembleia ontem à tarde no sindicato, que contou com no máximo 100 pessoas./ COLABORARAM CÉLIA FROUFE e RENATA VERÍSSIMO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.