Benefícios à agricultura serão discutidos na próxima semana

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse, nesta quinta-feira, em São Paulo, que a "Medida Provisória do Bem", em socorro aos agricultores, será discutida na próxima semana em reunião de ministros. "Por enquanto a discussão está ocorrendo em nível técnico e a conta sobre qual será o valor do pacote ainda não foi fechada", frisou. "São muitas as variáveis a considerar e qualquer número que eu disser agora será um número meramente especulativo sem nenhum sentido prático. "Na última quarta-feira, os comentários em Brasília eram de que as medidas sugeridas pelo Ministério da Agricultura, incluindo renúncia fiscal e liberação de recursos, exigiriam R$ 6 bilhões.AjudaO ministro voltou a dizer que a ajuda ao setor precisa acontecer agora. "O período de comercialização da agricultura começa agora, em março, e vai até junho, e se não houver recurso no tempo em que ele é necessário quando ele vier não será mais necessário, pois se procedeu a comercialização e os prejuízos já foram contabilizados." Rodrigues estimou em R$ 1,5 bilhão o volume de recursos necessários à comercialização da safra, cuja liberação também depende da aprovação do orçamento no Congresso. Em relação à reunião da próxima semana, Rodrigues se disse "esperançoso" sobre possível resposta positiva do governo e voltou a negar ter colocado o cargo à disposição. Segundo ele, as chances de continuar no governo até o final do ano "são boas".Desvalorização cambialEm reunião na Câmara de Comércio Brasil-Alemanha, Rodrigues foi questionado sobre o peso que a desvalorização cambial têm na atual crise da agricultura. "Quem me dera ser um diplomata nesse momento", brincou. Depois, disse que vários fatores são responsáveis pela atual crise, como a maior produção mundial de grãos, a queda dos preços das commodities agrícolas e os prejuízos sofridos pelos agricultores brasileiros com o clima e que levaram ao endividamento do setor. "A perda da renda nos últimos três anos chega a R$ 30 bilhões. Não existe política pública capaz de tapar esse buraco", disse. Segundo ele, as medidas estudadas - apoio à comercialização, renegociação da dívida agrícola e o investimento em biodiesel de soja - devem minimizar a situação dos produtores. "Alguns, porém, não terão condições de serem salvos", disse. "Estamos no final de um ciclo negativo dramático que deixará seqüelas. Mas dentro de alguns meses uma nova fase de desenvolvimento positivo será iniciada", disse, lembrando que a agricultura é uma atividade cíclica.HomenagemRodrigues será homenageado em 10 de julho na Alemanha com o Prêmio Personalidade Brasil Alemanha 2006. A Alemanha é o quinto mercado das exportações brasileiras do agronegócio, com US$ 1,856 bilhão em 2005. O principal produto da pauta de exportação brasileira para aquele país é o café, seguido da soja em grão. "Fico imaginando qual é o potencial que existe para agregarmos juntos valor a esses produtos", disse o ministro. Ele disse ter conversado nesta quinta com empresários alemães sobre a possibilidade de investimentos em agroenergia no Brasil, em especial na produção e exportação de etanol e biocombustíveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.