Bens da fabricante de carrocerias de ônibus Busscar serão leiloados

Leilão ocorrerá em 26 de novembro e expectativa é de arrecadar no mínimoR$ 293,4 milhões; dívida total soma R$ 1,6 bilhão

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2014 | 02h03

A empresa que já foi uma das mais tradicionais fabricantes de carrocerias de ônibus do País, a Busscar, de Joinville (SC), terá os bens leiloados no dia 26 de novembro. Com a falência decretada há dois anos, o grupo tem dívida de R$ 1,6 bilhão. Os bens a serem vendidos são avaliados em R$ 489 milhões.

A expectativa é arrecadar, no mínimo, 60% desse valor (R$ 293,4 milhões), o que significa que o grupo continuará agonizando. No lote a ser leiloado está a Tecnofibras, avaliada em R$ 74 milhões. É a única empresa do grupo que segue em operação. Ela produz peças para carroceria, tem 400 funcionários e faturou R$ 81 milhões em 2013.

A unidade da Busscar, que ainda conserva sua linha de montagem, está avaliada em R$ 369 milhões. No passado, ela chegou a produzir 42 carrocerias por dia e empregar 5 mil pessoas.

"Quem adquirir a Busscar poderá retomar a produção de carrocerias, se quiser", diz a leiloeira oficial Tatiane Duarte. Também irão à leilão a Climabuss (equipamentos de climatização), terrenos, imóveis, veículos, uma participação minoritária na Busscar Colômbia, entre outros.

Segundo Tatiane, a Justiça determinou que a venda seja feita em bloco único e, caso não apareça comprador, poderá ser desmembrada em seis lotes. A prioridade do que for arrecadado é o pagamento de ex-funcionários.

O grupo brasileiro Busscar foi criado em 1956 por Harold Nielson e tornou-se um gigante no ramo de carrocerias. Após a morte do fundador num desastre aéreo, em 1998, antes de formar sucessores, a empresa passou a ter problemas de gestão e financeiros e se afundou em dívidas. Deixou de operar em 2010 e teve a falência decretada em 2012. Neste ano, o filho de Nielson, Claudio, apresentou um plano de recuperação que incluía pedido de empréstimo ao BNDES, mas foi recusado pela Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.