Bens de capital terão prioridade no BNDES

Coutinho promete ''''apoio especial'''' ao setor na nova política industrial

Jacqueline Farid, O Estadao de S.Paulo

31 de outubro de 2007 | 00h00

Os fabricantes de bens de capital terão um ''''apoio especial'''' dentro da nova política industrial e no âmbito dos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), segundo adiantou ontem o presidente da instituição, Luciano Coutinho.Os fornecedores do setor de petróleo estão incluídos na política, que deverá englobar mudança tributária e aceleração de análise de projetos. Há sete meses, o governo vem anunciando que prepara medidas de apoio à expansão industrial.Coutinho repetiu ontem que as medidas estão sendo estudadas em conjunto com os Ministérios da Fazenda e Desenvolvimento, além da Casa Civil, e serão anunciadas ''''nas próximas semanas''''. Ele não quis adiantar quais serão os estímulos para os fabricantes de bens de capital, mas confirmou que estarão relacionados a ''''certa melhoria no campo dos tributos'''' e a uma aceleração na análise dos pedidos de financiamento, no banco, das empresas do setor.Segundo o presidente do BNDES, ''''a prioridade das prioridades é apoiar o desenvolvimento de bens de capital'''' e o objetivo é aumentar a capacidade produtiva das empresas para promover um equilíbrio entre a demanda e as entregas de equipamentos. ''''Daremos uma atenção especial às empresas que estão com dificuldades de entrega, para aumentar a capacidade produtiva'''', disse.Coutinho, que concedeu entrevista após participar do seminário ''''Avaliando os capitais intangíveis no Brasil'''', na sede do BNDES, admitiu que o setor de petróleo terá atenção especial por causa dos elevados investimentos e das dificuldades dos fornecedores em entregar no prazo os equipamentos.Ele explicou que o banco está em ''''processo de discussão'''' com a Petrobrás para uma aproximação maior com a empresa ''''neste momento de aceleração de investimentos'''', no qual a instituição poderá apoiar os fornecedores de bens de capital da estatal. ''''A Petrobrás está elevando investimentos em produção, exploração, gás, refinarias, construção de plataformas e navios e a indústria de bens de capital passou muitos anos imobilizada'''', disse. Para ele, agora é o momento de colocar o setor novamente em movimento.Sexta-feira passada, o presidente Lula disse, em visita ao Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Petrobrás (Cemps), que a capacidade exaurida dos fornecedores de equipamentos é um grave problema para a estatal na atualidade.Segundo Coutinho, o apoio que a nova política industrial e o BNDES darão ao segmento de bens de capital não se limita apenas à indústria de petróleo e seus fornecedores.Ele contou que ontem teve uma reunião com fabricantes de equipamentos na Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (Abdib) para discutir os ''''hiatos'''' entre a capacidade de oferta do setor e a demanda dos investidores, inclusive do segmento de petróleo, mas também de álcool e construção, entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.